Pesquise No Blog

Loading

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Brasil e a grande deficiência em sua malha ferroviária


A questão em si, não é novidade. Afinal de contas, já não é de hoje que vários especialistas defendem que, para as nossas dimensões continentais, o melhor meio de transporte seria o ferroviário.

O transporte ferroviário deveria ser o principal meio de transporte para países com dimensões como a nossa. Seu custo de manutenção é barato, embora sua construção não seja; sua capacidade de transporte é enorme, seja ela de carga ou de passageiros; sua conectividade com outros meios de transporte também pode ser feita de maneira mais ágil. 

A questão é que aqui, no nosso país, outros pontos falaram mais alto. 

O primeiro deles diz respeito ao nosso pensamento político de curto prazo. Nossas obras não são feitas para a população. Nossas obras são feitas para a reeleição. Então aquilo que for barato e rápido ao ponto de ficar pronto antes da reeleição será feito, independentemente da sua eficiência ou não para a população. 

Outro ponto é que desde J.K. quando a indústria automobilística foi incentivada, muito por conta de incentivos ($$$) que deu ao então presidente, nosso país acabou "optando" por desenvolver o rodoviarismo como principal meio de transporte. 

O caminho pela opção rodoviária hoje em dia pesa muito contra o nosso país em termos de competitividade, o famoso risco Brasil, além, é claro, de prejudicar até internamente, em relação a integração do país.

Claro que não estamos defendendo a extinção do rodoviarismo como forma de transporte, mas sim que o mesmo deixe o seu protagonismo em favor do transporte ferroviário. 

O transporte ferroviário, apesar de ser caro de construir, possui a manutenção barata. Ao contrário do rodoviarismo, cuja construção é barata, mas a manutenção é cara (se nos voltarmos ao pensamento curto da reeleição de nossos políticos, fica fácil de entender, né?...)

Além do mais o transporte tanto de carga quanto de passageiros é bem maior em relação ao transporte rodoviário. Para se ter uma ideia, um trem de carga equivale a 13 caminhões e um trem de passageiros equivale a uns 3 ou 4 ônibus biarticulados. Então a vantagem é enorme. 

O transporte rodoviário seria um complemento ao ferroviário, visto que a vantagem da precisão do transporte rodoviário o ferroviário não tem. Ou seja, este meio de transporte é o único capaz de entregar "na sua porta" e isso deve sim ser explorado. 

Claro que, priorizando o transporte ferroviário em um país onde o principal meio de transporte é o rodoviário, teremos a questão da mão de obra empenhada neste setor que, não precisaria mais de tanta quantidade assim. 

Mesmo que não exista fórmula mágica, poderia ser proposto uma requalificação para esta parte da mão de obra que acabaria se tornando "excedente", sendo deslocada para o setor ferroviário, que, em expansão, demandaria mão de obra, quem sabe até mais do que a advinda do excesso do setor rodoviário. 

A questão é que, até para este raso raciocínio se concretizar, basta uma vontade política enorme e do governo federal enxergar que investir em malha ferroviária seria uma alavanca e tanto para impulsionar a nossa economia. O problema deve ser falar em investir com um governo que quer limitar os gastos...     

Deve se ter em mente também que não podemos apenas nos limitar a estes dois meios de transporte. O ideal seria apostar no transporte intermodal, ou seja, em que todas as modalidades contribuam para o transporte de passageiros ou de carga. Contudo, se apostar em um só já é difícil para os governos que tivemos, imagina em todos eles e na integração dos mesmos. 

Até porque criar Bilhete Único, apesar de um grande passo, não é uma forma de melhorar o transporte. Investir em sua expansão, integração e eficiência é que seria o ideal, mas, como sempre, esbarramos na vontade política dos nossos "representantes". 

Para nos ajudar a pensar, deixaremos abaixo dois mapas metroviários. O primeiro da cidade de São Paulo (a maior cidade da América Latina!) e o segundo da cidade de Nova York (uma ilha!, por assim dizer) para observarmos a diferença entre ambos. Claro que, guardadas as devidas proporções, principalmente a política e a econômica...


Mapa Metroviário da cidade de São Paulo.






Mapa Metroviário da cidade de Nova York







terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Questões a ponderar sobre a reforma da previdência...

Há tempos se discute a reforma da previdência. Não é uma especificidade do governo atual que parece ter se debruçado sobre a proposta tão logo a crise bateu na nossa porta. 

Contudo, há uma série de nuances que devem ser contempladas, mas que estão passando ao largo da discussão acerca desta proposta de reforma da previdência que mais está parecendo uma imposição, e bem amarga à população brasileira.

Não há o que se discutir com relação ao aumento da expectativa de vida do brasileiro. Embora não satisfatoriamente, não há como negar que a qualidade de vida do Brasil andou conferindo uns aninhos a mais à população brasileira.

Com isso, naturalmente, a longevidade faz aumentar o tempo pago de contribuição do INSS ao trabalhador que não é mais do que uma obrigação do órgão público, visto que contribuímos durante toda a nossa vida para tal. Porém, se pararmos para analisar que a população brasileira também está envelhecendo, podemos afirmar, de maneira simplória, que o número de aposentados será maior do que o número de trabalhadores, causando, portanto, rombo na previdência. 

Até aí, os argumentos se montam na necessidade de uma reforma da previdência brasileira. O problema é a forma como isso está sendo feito e as outras possibilidades que poderiam (deveriam) ser implementadas antes de chegarmos a esse extremo. 

Muito se fala por alto dessa tal reforma, mas não se vê um mísero esforço do governo para explicar a população em geral a forma como ela será feita e a necessidade da mesma. Ao invés disso, monta-se um circo que trata a reforma como ultra-secreta, mas não se faz um debate ou consulta pública para discutir seus pontos principais. 

Dizer que sentou com as centrais sindicais para debater a reforma, não é dizer que se discutiu ela com a população. Principalmente porque as pessoas podem discordar da instituição e, mais ainda, porque não se sabe o que foi discutido entre presidente e centrais sindicais. 

Assim, a tão balada reforma da previdência, vai passando de maneira que o principal interessado e afetado pela mesma é marginalizado nessa discussão e tenta se inteirar pescando notícias (que são dadas com a profundidade de um pires) nos telejornais das emissoras de TV. Sorte de quem tem internet e pode procurar ficar a par do que acontece (se souber procurar, é claro, pois também pode terminar tão marginalizado quando o pessoal da TV...)

Como se não fosse pouco tratar a reforma da previdência como um rolo compressor em cima do trabalhador, há ainda questões que sequer foram levantadas e que permanecem na penumbra. 

Podemos levantar aqui uma questão em relação as fraudes na previdência social. Sabe-se e não é de hoje que existem inúmeros casos de fraudes envolvendo a previdência social, mas o que parece não haver é um esforço para combatê-lo mais ostensivamente. Se bem que, ultimamente, parece que o trabalho da PF se resumiu à Lava Jato...

Quem sabe, talvez, se houvesse uma fiscalização maior em torno dos benefícios, essa reforma não precisasse ser tão brusca?

Outra questão que pode ser levantada e que também não é de hoje, diz respeito as super aposentadorias. Enquanto uns trabalham a vida toda e no final nem o salário integral recebem, outros recebem aposentadorias e pensões que equivalem, muitas vezes, a um carro popular! 

Por que isso não é revisto? Por que isso não é fiscalizado? Por que permitem que isso ocorra?

Outro ponto também importante se refere ao fato da reforma não contemplar todos os trabalhadores. Por que os militares ficaram de fora da reforma?

Se esses pontos fossem vistos antes, será mesmo que chegaríamos a situação em que chegamos hoje?

E como se esses pontos, apenas levantados aqui, não fossem suficientes para levantar inúmeros questionamentos acerca desta reforma, quem está pedindo à população que entenda (engula) essa proposta se aposentou com 55 anos...