Pesquise No Blog

Loading

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Cinema, Pipoca e Geografia! - Hotel Ruanda

Hotel Ruanda


O filme Hotel Ruanda é filme trágico que aborda a questão da guerra entre Tutsis e Hutus ocorrida em 1994 na Ruanda, que ficou conhecida como o genocídio de Ruanda.

O filme mostra com um realismo impressionante o terror vivido por um grupo de refugiados em um hotel, localizado em Kigali, capital da Ruanda. Em meio a esta guerra entre Tutsis e Hutus - Herança das malditas fronteiras artificiais estabelecidas na África - os refugiados tentam sobreviver e fugir deste conflito, através de negociações feitas pelo gerente do hotel, Paul. 

Pra quem tem interesse em entender um pouco sobre as guerras que ocorrem na África e gosta de um bom filme Hotel Ruanda é uma ótima escolha. 

       

Caminhos Geográficos - PARNASO

PARQUE NACIONAL DA SERRA DOS ÓRGÃOS - PARNASO



                                                                     


Criado em 1939 com o intuito de proteger a paisagem e a biodiversidade de um trecho da Serra do Mar - que nesta localidade recebe o nome de Serra dos Órgãos -  na Região Serrana do Rio de janeiro e abrangendo os municípios de Teresópolis, Petrópolis, Magé e Guapimirim o Parque Nacional da Serra dos Órgãos (PARNASO) é um bom lugar pra quem curte contato o com a natureza.


O parque permite a realização de trilhas, a prática esportes como o alpinismo e até banhos em uma piscina natural que o parque possui, além de uma ótima estrutura e apoio para realização de pesquisas e estudos, possuindo em seu banco de dados informações atualizadas e de suma importância sobre o parque.


Englobando cachoeiras, montanhas, nascentes, uma grande extensão de Mata Atlântica além de espécies de animais das mais variadas o PARNASO é um ótimo lugar para ser visitado e onde se pode aprender muito não só sobre geografia como também sobre outras áreas do conhecimento como a biologia. A infra-estrutura do parque não deixa em nada a desejar e o visitante é muito bem tratado e orientado durante sua visitação.


Para quem gosta de um contato maior com a natureza e de diversão associada ao conhecimento o PARNASO é um ótimo lugar para se visitar. O mesmo possui sede em Teresópolis, Petrópolis e Guapimirim (municípios da Região Serrana do Rio de Janeiro).












quinta-feira, 28 de maio de 2009

A tragédia social das chuvas no Nordeste do país

Com a ocorrência de chuvas acima do esperado no período para a região nordeste, os Estados da região enfrentam diversos problemas desde cidades completamente inundadas a pessoas desabrigadas, levando alguns municípios ao estado de calamidade pública.


Causadas pelo posicionamento mais ao sul da ZCIT (zona de convergência intertropical) - que possui um sistema de massa de ar provindas do Atlântico Norte e do Atlântico Sul - a intensificação das chuvas tem levado a verdadeiros dramas sociais que decorrem por conta da mesma. Como mostra a reportagem publicada no site msn.com.br no dia 28/05/2009 



Mil desalojados dividem 4 chuveiros em abrigo sem latrinas no Maranhão






Instalados há quase dois meses no Parque de Exposições do município de Bacabal, no Maranhão, mais de mil desabrigados pelas chuvas no Estado ainda são obrigados a dividir apenas quatro chuveiros improvisados e usar buracos cavados no chão como latrina.

Por todo o parque, é possível encontrar lixo e fezes na grama. Alguns desabrigados cavaram buracos no chão de cocheiras desativadas, que foram transformadas em latrinas improvisadas.
Segundo a coordenadora da Defesa Civil de Bacabal, Roseane Maria do Nascimento Silva, o município não tem como pagar o aluguel de banheiros químicos, que poderiam ajudar a solucionar o problema.

Apesar da limpeza diária feita por funcionários da Defesa Civil, o mau cheiro se espalha pelas instalações do parque.

Para tomar banho, os desabrigados contam com apenas quatro "chuveiros", na verdade, barracas de lona improvisadas com um cano por onde sai água.
No mesmo local, há uma torneira para lavar roupa e louça, cuja água cai no chão e se mistura à lama, lixo e fezes.

Mesmo assim, nem todos conseguem usar a água da torneira. "Tem fila todos os dias. Para lavar roupa, é preciso esperar horas", diz a dona de casa Ana Lúcia Ferreira da Silva, de 24 anos, que há um mês vive no parque com o marido e três filhos.
 

As primeiras enchentes deste ano em Bacabal ocorreram no início de março. Desde então, famílias obrigadas a sair de suas casas pelas chuvas começaram a ocupar, por conta própria, espaços privados como o parque.









Hospital
A falta de condições de higiene não é exclusiva do parque de exposições. Em um hospital abandonado perto dali, famílias numerosas se aglomeram em cubículos, dividindo espaço com os poucos móveis e utensílios que conseguiram salvar das águas.

No pátio interno, os desabrigados lavam roupa em uma pia quebrada. Lama e dejetos se espalham também pelos corredores e salas, usados agora como casas. 







Segundo a Defesa Civil, as mais de 4,7 mil pessoas que ocupam os 54 abrigos da cidade e os outros 5,6 mil desalojados hospedados com parentes ou amigos deverão esperar a chuva passar e o nível do rio Mearim baixar para que possam voltar com segurança para suas casas.

Muitos deles, porém, tiveram suas residências totalmente destruídas pelas águas, e terão que permanecer por algum tempo nos abrigos antes de encontrar um novo lugar para morar.









reportagem publicada no site msn.com.br no dia 28/05/2009 

quarta-feira, 27 de maio de 2009

E a tensão mundial por conta da Coréia do Norte continua...

Heranças da Guerra - Fria Coréia do Norte e Coréia do Sul são países que estão sempre se hostilizando e parece que está situação andou ganhando corpo, como mostra a reportagem do site g1.com.br do dia 27/05/2009, com os testes nucleares realizados na Coréia do Norte, o que andou sendo visto com maus olhos por diversos países, principalmente pela Coréia do Sul.

Contudo, acredito que embora a tensão seja flagrante o conflito armado venha a acontecer de fato. Pois apesar de contar com um exército de mais de 1 milhão de pessoas a Coréia do Norte é um país assolado pela fome e pela miséria que é escondida pelo seu governo, além de sua economia frágil que sobrevive em grande parte com a ajuda da China. O que levaria o país a não arriscar-se em uma guerra. Outro motivo pelo qual acho que a guerra não ocorreria seria a questão dos "aliados" de cada país. Onde de um lado temos a China com a Coréia do Norte e do outro temos Japão e E.U.A. com a Coréia do Sul. Sendo assim, se os mesmos resolverem entrar neste conflito, pode-se dizer sem exageros, baseado no poder bélico-nuclear dos mesmos, que a raça humana estaria assinando a sua carta de extinção, não só a dela como do planeta inteiro. O que também pode vir a correr mesmo que esses aliados não entrem na disputa, haja visto que a Coréia do Sul possui armamento nuclear; o que justifica em grande parte esta situação envolvendo os dois países ganhar repercussão e preocupação mundial.

Acredito que este episódio deva ser moldado em uma frase dita por um professor meu quando se referia a Guerra Fria : "Guerra improvável, paz impossível"   




Coréia do Norte ameaça Coreia do Sul com resposta militar


Advertência vem após Seul aderir a iniciativa americana contra armas.



                                           

Mapa mostra a localização do teste nuclear de segunda (25) e do teste de mísseis desta terça (26). (Foto: Arte G1)


Pyongyang fez teste nuclear e estaria de novo produzindo plutônio.





A Coreia do Norte ameaçou nesta quarta-feira (27) uma possível resposta militar contra a Coreia do Sul e assinalou que já não se vê vinculada ao armistício assinado por ambas as nações ao término de sua guerra em 1953, segundo a agência norte-coreana KNCA.

O regime comunista de Pyongyang fez a ameaça após a decisão do governo de Seul de participar plenamente na iniciativa americana contra o tráfico de armas de destruição em massa, o chamado PSI, e assegurou que a península coreana "voltará a um estado de guerra".

Um porta-voz do exército norte-coreano, citado pela "KCNA", disse que a plena participação sul-coreana no PSI será considerada como "uma declaração de guerra" contra a Coreia do Norte, acrescentando que responderá com um ataque militar imediato e potente a qualquer ato hostil.

Segundo o porta-voz militar norte-coreano, se o armistício perder sua vigência a península voltará em breve a uma "situação de guerra".

 Pyongyang também advertiu que não garante a segurança dos navios que passam por sua costa oeste, de acordo com um comunicado militar divulgado pela agência oficial KCNA.

 As relações entre as duas Coreias, que sempre estiveram oficialmente em estado de guerra desde o conflito de 1950 a 1953, pioraram após a chegada ao poder em Seul, em fevereiro de 2008, de Lee Myung-bak, qualificado regularmente de "traidor" pelo regime norte-coreano.

Rompendo com a postura dos antecessores que buscaram uma conciliação com Pyongyang, Lee adota uma posição firme em relação ao Norte e condiciona a ajuda de seu país aos progressos verificáveis no process de fim do programa nuclear de Pyongyang.

 Também nesta quarta-feira, a imprensa sul-coreana informou que há indícios de que a Coreia do Norte teria recomeçado a processar combustível nuclear em suas instalações de Yonbyon, com fins militares.

 EUA comemoram decisão de Seul

Os Estados Unidos comemoraram a decisão da Coreia do Sul de participar plenamente em sua iniciativa antiproliferação de armas, o que Pyongyang considera um descumprimento dos termos do armistício de 1953.

A Coreia do Norte assegurou que se alguma de suas naves for inspecionada com base na PSI, que contempla a abordagem de navios suspeitos de participar da proliferação de armas de destruição em massa, o interpretará como um ato hostil.

Pyongyang disse que considerará as inspeções e vigilância de seus navios em missão pacífica como "uma violação intolerável contra sua soberania" que será respondida com um ataque militar.

O regime comunista norte-coreano efetuou nesta segunda-feira seu segundo teste nuclear, e o Conselho de Segurança respondeu esse mesmo dia com uma condenação unânime e o aviso de que avaliará a imposição de sanções e uma nova resolução.
 Rússia teme guerra nuclear

A Rússia está tomando medidas preventivas de segurança devido à preocupação com uma guerra nuclear na sua fronteira oriental, disse uma fonte oficial a agências de notícias na quarta-feira. Uma fonte não-identificada de segurança disse à Interfax que a tensão na península da Coreia poderia atingir as regiões mais a leste do país, onde a Rússia tem uma pequena fronteira com a Coreia do Norte.

"Surgiu a necessidade de um pacote apropriado de medidas preventivas", disse a fonte. "Não estamos falando em ampliar esforços militares, e sim de medidas caso um conflito militar, talvez com o uso de armas nucleares, exploda na península da Coreia."




reportagem do site g1.com.br do dia 27/05/2009

terça-feira, 26 de maio de 2009

Os primeiros tropeços de Obama...

O mundo inteiro acompanhou fervorosamente e eleição do novo presidente norte-americano, que representava, entre outras coisas, o fim da Era Bush. 


Um governo extremamente militarista - até por que quem financiou as campanhas presidenciais dele foram as indústrias bélicas - que procurou alavancar a economia com ações desastradas como a "guerra nas estrelas" e as "guerras preventivas" de seu governo que acabaram afundando o país em dívidas, que foram escondidas e maquiadas pelo próprio governo e empresas de avaliação de investimentos, sendo isto um dos pilares da atual crise econômica.


Assim, Obama, fazendo promessas como a retirada das tropas do Iraque e a desativação da base militar norte-americana em Cuba (Guantánamo) conseguiu se eleger com o status de panacéia do mundo. Porém, como mostra reportagem da Carta Capital publicada em seu site no dia 22/05/2009. Obama já começa a dar os seus primeiros tropeços - eu diria até seus primeiros retrocessos - em sua gestão. 




O otimismo internacional em torno do novo presidente dos EUA dá lugar ao desânimo à medida que Barack Obama se mostra cada vez menos inclinado a alterar as políticas de Estado herdadas do governo republicano.

Voltou atrás quanto a fechar Guantánamo e liberar fotos de tortura. Ampliou o envolvimento no Afeganistão sem mudar os métodos. Nomeou para essa frente o general Stanley McChrystal, responsável por falsificação de relatórios, violações das Convenções de Genebra --e execuções extrajudiciais no Iraque. Essa política matou 140 civis afegãos em bombardeios em 5 de maio, favorece a popularidade do Taleban e ameaça ampliar a crise do Paquistão, principalmente se McChrystal enviar para lá seus agentes clandestinos.

A visita a Israel não mudou essa impressão. Obama falou em favor de um Estado palestino (postura “estúpida e pueril” segundo um assessor não identificado de Benjamin Netanyahu) e teria advertido Israel contra um ataque unilateral ao Irã, mas alimentou a impressão de que Tel-Aviv lhe dita prazos, condições e ultimatos. Deu-se prazo até o fim do ano para tentar a via diplomática e “julgar a seriedade de Teerã”. Tais posições alimentam o ressentimento contra os EUA na região e fazem com que Ahmadinejad possa transformar em trunfo eleitoral o teste de um míssil de longo alcance capaz de atingir Israel ou as bases dos EUA no Golfo. 





Reportagem da Carta Capital publicada em seu site no dia 22/05/2009

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Fusão Sadia & Perdigão II

Cabe lembrar que a fusão ainda não foi validada pela CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica)...





                   

Coréia do Norte realiza novo teste nuclear e causa reações pelo mundo

"Como será a terceira guerra mundial eu não sei, mas sei que a quarta será com paus e pedras" (Albert Eisten)



Líderes mundiais condenaram a Coreia do Norte por realizar testes nuclear e de mísseis nesta segunda-feira, e o presidente dos EUA, Barack Obama, disse que os atos de Pyongyang são um desafio insensato que justificam ação por parte da comunidade internacional.

Enquanto países se preparavam para uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU ainda nesta segunda, o chefe de política externa da União Europeia, Javier Solana, qualificou o teste nuclear de "violação flagrante" de uma resolução do Conselho, algo que requer "uma resposta firme".

China, Rússia, França e Grã-Bretanha -- que, com os EUA, são membros permanentes do Conselho de Segurança -- expressaram alarme diante do teste nuclear realizado pelo Estado isolado, que, segundo Moscou, foi tão potente quanto a bomba atômica que os EUA lançaram sobre Nagasaki na 2a Guerra Mundial.

A Coreia do Sul convocou uma reunião de emergência de seu gabinete.

"Agindo em desafio flagrante ao Conselho de Segurança das Nações Unidas, a Coreia do Norte está desafiando a comunidade internacional de maneira direta e irresponsável", disse Obama. "O perigo representado pelas atividades ameaçadoras da Coreia do Norte justifica ação por parte da comunidade internacional."

A condenação unânime de todo o mundo ressaltou o isolamento da Coreia do Norte.

A comunidade internacional há anos usa uma mistura de sanções e ofertas de ajuda para negociar com Pyongyang o fim do programa nuclear norte-coreano.

Mas Pyongyang é tão isolada que há poucas opções de punição possíveis, e nem Obama nem Solana fizeram recomendações específicas. A França falou em intensificar as sanções.

"O comportamento da Coreia do Norte aumenta as tensões e prejudica a estabilidade no nordeste da Ásia. Essas provocações vão apenas aprofundar seu isolamento", disse Obama. "O país não encontrará aceitação internacional a não ser que abandone sua procura por armas de destruição em massa e as maneiras de empregá-las."

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse estar "profundamente preocupado" com o teste nuclear da Coreia do Norte.

A Coreia do Norte há semanas ameaçava realizar o teste em resposta ao endurecimento das sanções internacionais, decidido depois de o país lançar um foguete, em abril, que teria violado a proibição da ONU a testes norte-coreanos com mísseis de longo alcance.

A Rússia disse que a violação da resolução do Conselho de Segurança representou um revés grave nos esforços para controlar a proliferação de armas nucleares e que as conversações entre seis países sobre a Coreia do Norte são a única solução para a crise.

"As medidas mais recentes da Coreia do Norte intensificam as tensões no nordeste asiático e colocam em risco a segurança e estabilidade da região," afirmou o chanceler da Rússia em comunicado.

"PROVOCAÇÃO"

A explosão de segunda-feira foi até 20 vezes mais potente que a primeira feita pelo país, há cerca de dois anos e meio, salientando o avanço do programa nuclear norte-coreano a despeito das negociações multilaterais para tentar contê-lo.

Agravando ainda mais a tensão, a Coreia do Norte testou três mísseis de curto alcance pouco depois do teste nuclear.

"Consideramos os testes uma provocação e os condenamos fortemente", declarou o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso.

O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, descreveu os testes nucleares e de mísseis como "errôneos, equivocados e um perigo para o mundo", dizendo que a comunidade internacional só tratará a Coreia do Norte como parceira se ela se comportar responsavelmente.

A França declarou que vai consultar seus parceiros no Conselho de Segurança "sobre as consequências que esse ato grave da Coreia do Norte deve suscitar, e em especial sobre o reforço das sanções."

A China -- que, como membro permanente do Conselho, poderia vetar qualquer resolução -- pediu a Pyongyang que não agrave a situação. Mas analistas políticos acham que é pouco provável que Pequim aprove sanções mais duras.

"O lado chinês exige com veemência que a Coreia do Norte cumpra suas promessas de desnuclearização, cesse quaisquer ações que possam agravar a situação e retorne ao processo de conversações entre os seis países", disse a China em comunicado. "O governo chinês exorta todas as partes a lidar com a situação de maneira calma e apropriada."

A China há anos vê a Coreia do Norte como amortecedor estratégico contra a extensão das forças dos EUA até sua fronteira. Os responsáveis políticos em Pequim estão equilibrando preocupações com a potencial instabilidade da Coreia do Norte, o enfraquecimento de sua influência sobre o país e os receios de um confronto regional em torno do programa norte-coreano de armas nucleares.





Notícia publicada no site www.msn.com.br no dia 25/05/2009

sexta-feira, 22 de maio de 2009

O maldito jogo de interesses...

É revoltante como o jogo de interesses políticos é capaz de tratar pessoas como marionetes...



As derivas do ministro italiano do Interior, Roberto Maroni, referentes aos passageiros clandestinos que desembarcam em Lampedusa poderão delinear uma política comum europeia desumana para pessoas em busca de asilo. Às vésperas das eleições legislativas europeias marcadas para o início de junho, Maroni, do Partido Liga Norte, tomou uma decisão nunca dantes navegada pela União Europeia: nos dias 6 e 10 de maio, mandou de volta à Líbia cerca de 500 clandestinos. Maroni rechaçou os clandestinos sem sequer interrogá-los sobre as razões que os levaram a deixar seus países. A Líbia ignora qualquer procedimento de proteção ou asilo.

Segundo a Convenção relativa ao Estatudo dos Refugiados de 1951 das Nações Unidas, pessoas em busca de asilo têm o direito a tratamento de primeiros socorros e a interrogação preliminar. Caso estejam sujeitas a riscos de vida em seus países, podem receber asilo político. A Itália é signatária da Convenção de 1951 e, em tese, não pode rechaçar clandestinos vindos da Líbia e Tunísia e aportados à ilha mediterrânea de Lampedusa. Embora a apenas 113 quilômetros da Tunísia, a travessia para Lampedusa pode levar entre dezessete horas e seis dias. Os clandestinos pagam cerca de mil euros aos contrabandistas e não têm direito a levar água e comida.

No final de março, um barco de clandestinos em direção a Lampedusa naufragou na costa da Líbia, deixando 237 mortos. No mesmo dia, outras embarcações sumiram. Até agora não se sabe o número de vítimas. Sabe-se, porém, que desde 1988, 3.163 clandestinos desapareceram entre o Norte da África e Lampedusa. Aqueles que chegam à ilha padecem de náusea, desidratação, hipoglicemia e diarreia. Numerosas crianças e pessoas idosas morrem durante a travessia.

Maroni considerou sua estratégia um momento histórico na luta contra a imigração clandestina. Está claro que o ministro busca votos nas legislativas europeias. Seu empenho contra clandestinos remonta ao final de janeiro. No dia 23 daquele mês, Maroni transformou o Centro de Primeiro Acolhimento de Lampedusa em Centro de Identificação e de Expulsão. Até aquele dia, os clandestinos recebiam tratamento de urgência e eram enviados à Península em cerca de 48 horas. Aqueles cujas identidades não ficavam estabelecidas ao cabo de dois meses eram expulsos.

A despeito de infringir princípios básicos de direitos humanos, a política adotada por Maroni tem o claro apoio do premier Silvio Berlusconi. Semanas atrás, o chamado Tratado de Amizade entre Itália e Líbia, assinado em agosto de 2008, foi ratificado. A nada surpreendente amizade entre Berlusconi e Muammar Kadafi tem clara inspiração comercial. Empresas italianas realizarão investimentos no valor de 5 bilhões de dólares nos próximos 25 anos em infraestruturas de base na Líbia. Uma condição para a fluidez dos investimentos: Trípoli terá de participar da luta contra o terrorismo e a imigração clandestina.

A Líbia não é signatária da Convenção de 1951. Em Trípoli desenrola-se um jogo duplo em relação aos contrabandistas. Ora são ferozmente reprimidos pelas autoridades, ora, mediante subornos, são tolerados. O silêncio por parte da UE é ensurdecedor.



Reportagem do dia 22/05/2009 publicada no site da revista Carta Capital 

quinta-feira, 21 de maio de 2009

China passa os E.U.A e se torna o maior parceiro comercial do Brasil

A China se tornou o principal parceiro comercial do Brasil, deixando para trás os EUA, segundo dados da balança comercial brasileira de abril.

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento, a soma das exportações e importações para o país asiático chegou a US$ 3,2 bilhões em abril, acima dos US$ 2,8 bilhões verificados no comércio com os EUA.

Em março, a China já havia ultrapassado os EUA em relação às exportações brasileiras. Em abril, essa vantagem aumentou. Agora, a China responde por 13% das vendas do Brasil para o exterior. Os EUA, por 11,3%.

Outra mudança ocorrida em abril é que, pela primeira vez, a Ásia se tornou o continente que mais compra produtos brasileiros, com cerca de 30% do total exportado.

De acordo com o secretário de Comércio Exterior, Welber Barral, o crescimento das exportações para a Ásia já era uma tendência verificada antes mesmo da crise, mas que se intensificou nos últimos meses.

"A taxa de crescimento já era maior nos momentos de bonança, mas isso foi acelerado pela crise", afirmou.

Nos quatro primeiros meses do ano, a corrente de comércio Brasil-China cresceu 14%, enquanto os negócios com o mercado norte-americano caíram 20,5%. Considerando apenas as exportações, houve crescimento de 65% para o parceiro asiático e queda de 35% para os EUA.

Diversificação

Barral afirmou que esse crescimento ainda não foi acompanhado por uma diversificação das exportações para a China, que compra principalmente produtos básicos, como soja, celulose e combustíveis.

Por isso, o governo pretende estimular exportações de produtos com maior valor agregado, como produtos industrializados. Para esse mês está prevista uma visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do ministro Guido Mantega (Fazenda) ao país asiático para tratar de questões comerciais.

O governo avalia que há ainda muito espaço para crescer no mercado chinês, já que o Brasil representa apenas 1% das compras internacionais feitas pela China.

Recuperação

Em abril, as exportações totais brasileiras somaram US$ 12,3 bilhões, melhor resultado do ano. Houve um crescimento de 14,8% em relação a março, o maior avanço entre esses dois meses desde 1998.

Na comparação com abril de 2008, houve queda de 8%. Segundo Barral, a queda seria maior se não houvesse influência da greve que atrapalhou as exportações no ano passado.

O fator greve também deve distorcer os dados de maio, já que as exportações no quinto mês de 2008 foram infladas pelo atraso na entrada de produtos no país.

Apesar dessa distorção, o governo avalia que houve efetivamente uma redução no ritmo de queda das exportações brasileiras em relação ao pior momento da crise. Um dos destaques foi o setor de veículos, cujas vendas subiram 24% em relação a março, puxadas pelos mercados da Argentina, México, Alemanha e Canadá.

Saldo

As importações brasileiras ficaram em US$ 8,6 bilhões no mês passado, queda de 26,6% sobre abril de 2008 e de 5,6% sobre março. A diferença entre os dois números resultou em um saldo positivo de 3,7 bilhões, o melhor resultado desde maio do ano passado.

No acumulado do ano, o saldo comercial está positivo em US$ 6,7 bilhões, 49,44% acima do valor no mesmo período de 2008. As exportações chegam a US$ 43,4 bilhões (queda de 16,5%) e as importações somam US$ 36,7 bilhões (-22,8%).



Reportagem da folha Online do dia 04/05/2009

terça-feira, 19 de maio de 2009

Desperdício de água

Diariamente vemos campanhas contra o desperdício de água no planeta. Seja em rádio, televisão, jornal ou outros meios de comunicação essas campanhas se proliferam, mas os seus alvos são sempre voltados para o consumo doméstico de água, onde estas campanhas procuram mostrar as mais variadas formas de se combater o desperdício dentro de casa.

Contudo, o que os meios de comunicação não mostram é que o consumo doméstico de água representa apenas 10% do desperdício total mundial de água. E, que os verdadeiros responsáveis são a agricultura realizada através da técnica de aspersão, com 70% do desperdício total mundial, e as indústrias, responsáveis por 20% do desperdício total mundial.

O que poderia ser corrigido se a agricultura utilizasse a técnica de gotejamento em escala mundo e não apenas em alguns países como Israel – técnica na qual os nutrientes que a planta necessita juntamente com a água são gotejados na raiz em horários controlados - em suas plantações, pois a mesma reduz expressivamente o desperdício de água. E, por parte das indústrias – principalmente siderúrgicas e metalúrgicas que utilizam as águas para resfriar as caldeiras – poderia ser feito uma reciclagem e uma reutilização da água por elas.

Devemos lembrar que a água não é um recurso infinito e que como tal deve ser cuidada para que não acabe. Assim devemos preservá-la da melhor forma que pudermos. Acho necessário que as campanhas para preservação das águas ocorram, mas que a mesma não recaia sobre nossa responsabilidade somente, mas sim que cada um assuma a sua parcela de culpa e que haja campanhas também para combater o desperdício de água na agricultura e nas indústrias para que assim o desperdício seja evitado por todos e não apenas por uma parcela irrisória do planeta. Pois a preservação deste recurso é dever de todos e não apenas de parte da população.

Mais uma fusão no Brasil !

Brasil Foods nasce com ambição de virar


protagonista fora do Brasil


Empresa fruto da união entre Perdigão e Sadia terá capital dividido em 68% e 32% para cada; tag along confirmado









SÃO PAULO - Em tom descontraído, os presidentes dos conselhos de administração da Perdigão (PRGA3) e da Sadia (SDIA4), Nildemar Secches e Luiz Fernando Furlan, respectivamente, anunciaram nesta terça-feira (19) a fusão que criará uma gigante da indústria de alimentos, a BRF (Brasil Foods), cujo capital social será dividido entre 68% da Perdigão e 32% da Sadia ao final da operação.



"Anunciamos o nascimento da grande multinacional brasileira de alimentos processados". "Um protagonismo que ultrapassa as divisas do Brasil no futuro". Essas foram algumas das frases utilizadas pelos executivos, ambos engenheiros de formação, durante coletiva de imprensa para apresentação do negócio.



A nova companhia, que tem a pretensão de elevar a competitividade global, dado que o mercado externo representa metade do seu faturamento, terá um sistema de governança partilhado. Secches e Furlan serão copresidentes por um mandato de dois anos e o conselho terá representantes das duas empresas.



As operações de ambas continuam separadas, considerando a mudança na denominação social da Perdigão para BRF. No caso da Sadia, a parte financeira foi vendida para os controladores, as famílias Fontana e Furlan. "Esperamos manifestação positiva nos próximos 15 dias com relação ao acordo de votos da Perdigão e aos acionistas da Sadia", disse Furlan em relação à condicional de adesão dos acionistas.





Sinergia



Muito da expectativa em torno da BRF decorre das potenciais sinergias com a fusão. Segundo os presidentes dos conselhos de Perdigão e Sadia, será contratada uma empresa externa para ajudar "da forma mais profissional possível" a selecionar as melhores pessoas durante a transição.



Questionado sobre a proximidade de algumas fábricas, Luiz Fernando Furlan foi taxativo: "Não há nenhuma previsão de demissão do chão de fábrica. As duas empresas estarão entre os maiores empregadores brasileiros. O que importa é produzir melhor". Mas eles evitaram falar em números sobre os ganhos de sinergia.



"Estamos criando um campeão, uma empresa brasileira que se tornará no curto prazo o maior exportador de carne processada do mundo (...) A melhora do mercado nacional e mundial pós-crise sistêmica vai nos encontrar com energia para pisar no acelerador com rapidez, e dar um salto de vendas, e isso implica geração de empregos", declarou Furlan.





Tag along



Outro ponto citado na coletiva diz respeito ao tag along (extensão, parcial ou total, aos minoritários, das mesmas condições obtidas pelos controladores quando da venda do controle). Conforme destacou Nildemar Secches: "não teríamos a obrigação de, mas o faremos de forma integral aos minoritários". Levando em consideração que a união se dá através de troca de ações, não caracterizando tag along.



Vale lembrar que a BRF também nasce com planos de realização de uma oferta de ações até o final de julho, de acordo com os executivos, para aumentar o capital em R$ 4 bilhões.










Notícia publicada no site www.msn.com.br no dia 19/09/2009

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Uma garrafa com água ou uma garrafa com diamantes?

Em umas das minhas aulas na faculdade surgiu esta discussão e eu achei importante trazê-la ao blog com a finalidade de construir um pequeno texto reflexivo...



Logicamente qualquer cidadão ao ser perguntado sobre qual das duas garrafas mencionadas no título deste post têm mais valor responderia sem piscar que é a garrafa de diamantes.

Porém se caminharmos por um deserto com as duas garrafas na mão veremos como essa relação muda completamente, pois quem habita nestas regiões e em muitas outras espalhadas pelo mundo, como a África por exemplo, convive com a escassez e a má distribuição de água, um problema gritante que se traduz na morte de milhares de pessoas por ano e dificilmente é mencionado em algum veículo de comunicação.

Ao passo que se andarmos com as duas garrafas pelos centros urbanos e em localidades rurais também, vemos que isto não acontece. Além de ser lamentável dizer que corremos o risco de descobrir isso pagando com as nossas próprias vidas!

Portanto, tal resposta muito se deve a inversão de valores que existe hoje no mundo onde se dá um valor imenso a algo que para nós serve como mero adorno e, em contrapartida, se desdenha de um recurso ao qual constitui mais de 70% do nosso corpo e sem o qual não vivemos. Ou seja, damos muito mais valor a objetos que são fúteis do que a recursos que nos são vitais e isso nos impede de enxergar que uma garrafa com água pode salvar a nossa vida ao passo que uma garrafa com diamantes pode tirar!


segunda-feira, 11 de maio de 2009

O Badalado Choque de Ordem

É público e notório o programa "choque de ordem" que a prefeitura do RJ vem implantando na cidade com a intenção de "restabelecer" ordem na cidade.

O programa não é de todo falho e até apresenta ótimas propostas como por exemplo a coerção aos cidadãos que insistem em fazer da rua um banheiro público ou até mesmo proibir a venda de bebidas alcoólicas 2 horas antes e após as partidas de futebol.

Pois bem, não que a intenção seja ruim o problema é a maneira como está sendo executada e os graves problemas estruturais que este programa da prefeitura vem apresentando.

Assistimos constantemente pela televisão as operações do programa, sendo corriqueiro vermos guardas municipais expulsando trabalhadores informais de seus locais de trabalho. Contudo o que mais chama a atenção não é o fato da expulsão acontecer de forma truculenta o que por si só já é um crime, mas sim o fato de que até as pessoas que tinham licença para trabalhar na localidade tiveram suas mercadorias apreendidas e foram removidas;e como se não bastassem elas ainda teriam que pagar uma taxa para reaver as suas mercadorias novamente. Ou seja, a pessoa trabalha honestamente, é surpreendida por um plano mal feito que além de fazê-lo perder um dia e trabalho ainda vem acompanhado do prejuízo de ter que pagar para retirar suas mercadorias. Difícil de acreditar não!?!?!!?! ...

Ainda continuando a falar do choque de ordem antes de comentar os erros de estrutura e planejamento contidos neles. Gostaria de chamar a atenção para outra vertente: a remoção das pessoas das habitações irregulares. Vemos diariamente pessoas sendo removidas de suas casas que estão em situação de construção irregular. Até aí nada contra. O problema que vejo reside no fato da remoção ser feita em questão de segundos, mas a questão do realocamento dessas pessoas não vejo ser resolvida.

Pois bem, os exemplos citados servem para exemplificar os erros de execução e de planejamento que o choque de ordem apresenta. Agora irei demonstrar quais seriam esses problemas e como eles poderiam ser resolvidos...

Podemos começar com o caso dos ambulantes, não que eu defenda o trabalho informal, contudo a prefeitura, a meu ver, falha neste aspecto, pois a remoção é feita em tempo recorde. Porém o que não é pensado pela prefeitura é como esse trabalhador que só encontrou esta forma de garantir sua subsistência, de uma hora para outra, não pode contar mais com isso.

Para tanto seria necessário que a prefeitura investisse no ensino de qualidade para qualificar esses trabalhadores através de cursos técnicos, mas não bastaria somente isso. Além do ensino que poderia ser oferecido pela própria prefeitura através da mesma ou com parcerias de iniciativas privadas e/ou até mesmo outras instâncias governamentais como o Estado e o Governo Federal; ficaria também a cargo da prefeitura conseguir emprego para essas pessoas, pois não adianta somente você qualificar a mão-de-obra e jogá-la no mercado de trabalho. É preciso que a prefeitura estude as necessidades da região a qual atende para assim empregar de forma mais rápida essas pessoas recém formadas de seus cursos.

É claro que isso seria uma medida que levaria tempo e planejamento, talvez o mesmo tempo que a prefeitura levou mapeando as áreas de atuação dos ambulantes para realizar as investidas da operação. Quem sabe talvez até menos?...

Já o problema da remoção das moradias irregulares exige uma demanda em maior escala, pois na hora de remover a prefeitura age rapidamente, mas na hora de decidir para onde esta família vai a prefeitura parece que prefere se omitir.

Não adianta realizar a remoção das pessoas sem um programa de habitação totalmente estruturado e pronto. Para que ai sim se tenha como remover estas pessoas para uma habitação de qualidade e descente. Contudo apenas uma moradia não basta. A prefeitura deve se fazer presente nessas regiões, por exemplo, há lugares na baixada fluminense onde o lixo não é recolhido de forma regular já em bairros como a Glória o lixo é recolhido diariamente. Cabe lembrar a prefeitura tem que se fazer presente não apenas nesta forma, mas em várias outras como promover para essas regiões onde essas pessoas serão alocadas educação, saúde e etc. Além de atrair investimentos nesta região para geração de empregos para que as pessoas que irão habitar essas regiões não tenham que se deslocar por grandes distâncias para chegar ao seu local de trabalho, o que, aliás, foi uma das razões que motivou o surgimento das favelas.

Com este pequeno texto quis demonstrar aqui alguns dos problemas do choque de ordem, focando nas questões que achei mais relevantes e propor o que eu acho que seriam as soluções mais cabíveis para cada um deles com a esperança de que no futuro esses problemas sejam solucionados de forma a contento de todos.

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Cinema, Pipoca e Geografia! - O Senhor das Armas

o sernhor das armas




O filme "O senhor das armas" é um ótimo filme. O mesmo conta a história de um traficante de armas internacional que viaja pelo mundo realizando seus negócios ao mesmo tempo em que tenta esconder o meio como ganha a vida da sua família.

Abordando assuntos como corrupção, guerras na África, no Oriente Médio, a guerra-fria, o fim da União Soviética e muitos outros "O senhor das armas" é um bom filme pra quem curte geografia e / ou cinema... vale a pena conferir!!!

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Chuvas no Norte e Nordeste Deixam população ilhada

As chuvas no Norte e Nordeste do país têm castigado os Estados, como mostra a reportagem do JB Online abaixo. Estas chuvas ocorrem em razão da ZCIT (zona de convergência intertropical) - a faixa laranja na figura abaixo - na qual há a presença de massas de ar frio que ficam girando nesta zona, vindas do atlântico leste e do atlântico norte. O posicionamento desta zona mais ao sul é que vem influenciando na intensidade e ocorrência das chuvas que assolam Norte e Nordeste do país.



JB ONLINE - 02/05/2009

Desde que as chuvas começaram a castigar as regiões norte e nordeste do País, no início de abril mais de 100 mil pessoas tiveram de deixar as suas casas. A região que mais preocupa é a do Estado do Maranhão, cujas chuvas mantém 25 mil desabrigados e já atingiu mais de 100 mil pessoas.

O Maranhão decretou calamidade pública na quarta-feira. A Defesa Civil informou que conta com a solidariedade da população que não foi atingida pela chuva. "A gente está trabalhando, enviando donativos e temos também a participação de voluntários", disse o coronel Robério Santos, secretário executivo da Defesa Civil estadual.

Nesta madrugada, duas barreiras caíram, interrompendo o tráfego na BR-010, conhecida como Belém-Brasília, que liga o Norte à região Centro-Oeste do País.

No Rio Grande do Norte, o número de municípios em estado de emergência subiu para 13. De acordo com o último balanço da Defesa Civil, a chuva afetou 26 mil pessoas no Estado. Até a manhã deste sábado, não havia informação sobre vítimas fatais ou pessoas desaparecidas.

Em Teresina (PI), o número de desalojados é de cerca de 6 mil pessoas, de acordo com dados da defesa civil do Estado. A cidade registrou em abril quase o dobro de chuvas de sua média histórica.

No Ceará, o governo do Estado estima que há mais de 17 mil pessoas fora de suas residências. Pelo menos quatro pessoas morreram desde o início das chuvas.

Em Maceió, capital de Alagoas, três pessoas morreram ontem após um deslizamento de terra. No Pará, a cheia do Rio Tapajós já afetou mais de 40 mil pessoas. O Estado tem 17 municípios atingidos, envolvendo 140 mil pessoas.