Pesquise No Blog

Loading

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Cinema, Pipoca e Geografia! - Cidade dos Homens (O Carteiro)

A indicação de hoje não se trata de um filme, mas sim de um episódio do seriado "Cidade dos Homens". 

Neste episódio, que você pode conferir abaixo, Laranjinha e Acerola ficam encarregados de entregar as correspondências na comunidade ondem moram, pois o carteiro fica impossibilitado de fazê-las. Ao toparem o trabalho, a dupla se depara com um problema: a falta de orientação. 

Ruas estreitas e sem nome formam um imenso labirinto que só quem foi nascido e criado no local sabe se orientar por lá. E é exatamente este o contexto em que o seriado converge para a Geografia, o da orientação. 

O episódio serve como um ótimo introdutório para a questão da importância de saber se orientar no lugar e como os códigos fornecidos para tal, como o nome das ruas - neste caso em específico - dentre outros nos ajudam a irmos onde queremos. 

O mesmo também mostra como informações de orientação erradas podem causar diversos prejuízos e nas mais variadas escalas. 

Enfim, sem dar muito spoiler sobre o episódio em questão, fica a dica de um ótimo introdutório sobre orientação no espaço e de sua importância em saber reconhecer seus elementos e a utilização dos mesmos; principalmente pra uma geração que acha que o Google Maps, Waze, dentre outros são a panaceia pra isso e, na verdade, não são... 




terça-feira, 17 de novembro de 2015

Pequenas considerações sobre o atentado terrorista na França

A postagem de hoje vai um pouco na contramão do que circula por aí sobre a tragédia francesa cujo número de vítimas já passou a casa da centena. 

Não, eu não vou defender o E.I. nem vou cair na esparrela de ficar comparando o que aconteceu na França com o rompimento da barragem de Mariana, MG. Isso é de uma desumanidade absurda e já tem muita gente se prestando a isso nas redes sociais, meu assunto aqui é outro... 

Este ataque terrorista à França serve como mais uma confirmação de uma série de acontecimentos que podem passar desapercebidos, dentre eles podemos destacar que:

O perfil dos conflitos está mudando, basicamente, do final dos anos 90 pra cá. Se antes você tinha países lutando contra países, vide as duas guerras mundiais só para citar um rápido exemplo; agora temos grupos que buscam suas autonomias diante de um ou mais países. Podemos citar como exemplo os bascos que buscam independência da Espanha, os Curdos na Turquia e mais recentemente o E.I. embora os meios para conseguir isso sejam diferentes entre si nos casos citados, dá pra notar que o perfil entre os conflitos está mudando. 

O que nos leva ao segundo ponto desta lista: Por que é tão difícil combater o E.I.?

Poderia responder que é por causa do conhecimento que eles possuem da região que dominaram, ou por causa do treinamento militar que dão aos seus soldados, ou até mesmo pela falta de "vontade" de outros países de extingui-lo porque ainda não os incomoda, mas prefiro acreditar que somado a tudo isso (é bom que se diga) há uma dificuldade muito maior: a de reconhecer o inimigo. 

Antigamente se reconhecia o inimigo pelo uniforme que usava: o soldado vermelho tinha que atirar no soldado azul; ou pela fisionomia, ou qualquer outra característica marcante, por exemplo. Mas e quando o seu inimigo não tem um "rosto"?

E quando o seu inimigo pode ser desde o cara alto de camisa social sentado ao seu lado no ônibus a mulher de vestido que passeia pela rua olhando vitrines? 

No caso do E.I. funciona bem por aí. Por ser um grupo que recruta pessoas de várias partes do mundo, ele não tem um rosto, uma identidade. O cara sentado do seu lado no ônibus pode ser um extremista e você jamais fará ideia disso. Este fato é um agravante que torna tão difícil a eliminação do grupo e de suas atividades. 

Uma saída? seria estrangular financeiramente o grupo que consegue dinheiro através de sequestros, roubos e da venda do petróleo das áreas que estão sob seu controle. Porém, como é que se pára isso também? 

(eu sei que o pára perdeu o acento, mas ainda não me acostumei a isso. Me perdoem professores de Português e entendidos do assunto, mas essa não dá pra aceitar) 

Agora um outro detalhe, que muito pouca gente se recorda, é que a origem do Estado Islâmico pode ser explicada em parte quando os EUA, sob alegações, comprovadamente falsas, de que o Iraque possuía armas nucleares, invadiu o país e depôs Saddam Hussein (líder sunita num país de maioria xiita), levando um grupo de sunitas radicais e se levantar contra o governo iraquiano, governado por xiitas agora, através de táticas terroristas dando origem ao que hoje se conhece como E.I.

O que nos convida a pensar que quando o Tio San comete terrorismo de Estado, tá tudo bem e tudo certo, mas quando grupos terroristas se levantam o mundo usa sua indignação seletiva e logo condena os ataques. 

Veja bem, com isso não estou defendendo o E.I. e muito menos que Saddam fosse mantido no poder no Iraque. O que me incomoda nessa questão toda é essa indignação seletiva que não se revolta quando um país invade o outro - contra a vontade da ONU, é bom que se diga - "instaura a democracia" e deixa para trás um rastro de rancor, sangue e violência que não poderia culminar em outra coisa que não o que estamos vendo agora. O que faz pensar: "será que algum dia eles serão apresentados a diplomacia ou mesmo farão questão de buscá-la?"

Para sintetizar a postagem de hoje, deixo abaixo uma charge do Latuff sobre o atentado na França que exprime belissimamente o que eu tentei colocar no texto acima dentre outras considerações. 


Fonte: http://noticias.uol.com.br/album/2015/11/14/charges-repercutem-ataques-terroristas-em-paris.htm

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Um oceano de lama que ninguém se dá conta...

O assunto desta semana não poderia ser outro que não o desastre ambiental ocorrido em MG com o rompimento de duas barragens de uma mineradora que já consta como o maior acidente do estado mineiro. 

Por baixo do oceano de lama que varreu bairros, casas, carros e ceifou vidas uma tonelada de dúvidas a respeito da tragédia se acumula e as respostas parecem cada vez mais obscuras. 

Ainda não se sabe ao certo o número de vítimas, até porque, curiosamente, apenas a empresa tem acesso ao local do acidente, mas se sabe que em cidades como Bento Rodrigues, metade da população não conseguiu escapar da enxurrada de lama que ocorreu com o rompimento das barragens.

Soma-se a isso um prejuízo estimado (repetindo: estimado) em R$ 500 milhões! Isso sem contar as vidas humanas que se perderam e não há estimativa que as façam voltar. 

Mas o que intriga é que estão mostrando o fato como se fosse algo simples... E não é! Para se ter uma ideia a quantidade de lama, com rejeitos minerais é bom que se reforce, está estimada em 62 milhões de litros! Como se isso já não fosse assustador o bastante, o acidente está afetando a maior bacia hidrográfica do Sudeste do país, onde alguns rios já começam a ter seus trechos cimentados pela lama com ferro contido em seus rejeitos. 

E a lista só aumenta quando paramos pra pensar na perda de biodiversidade local, na contaminação dos rios - tornando a água imprópria para o consumo - na perda de solos agricultáveis, assoreamento dos rios - com alguns podendo até desaparecer ou terem seu curso alterado; cobertura da vegetação pela lama, interferências na cadeia do ecossistema local, prejuízos econômicos que durarão ANOS!... A lista não para. 

E o oceano de lama continua seu curso de destruição, chegando ao estado vizinho (ES) - como você pode conferir no mapa abaixo - que já montou uma brigada para evitar a falta de água no estado, bem como já está fazendo a remoção de ninhos de tartarugas da foz dos rios que serão atingidos pela onda de lama que varreu cidades em MG. 



Ainda é cedo para se calcular o tamanho deste prejuízo economicamente, socialmente, ambientalmente e em todas as outras instâncias possíveis. Mas o mínimo que se espera dessa situação é que os culpados respondam por seus atos e que essa tragédia seja encarada como uma das maiores do país e não como mais uma. Os inocentes que perderam suas vidas merecem isso...


Com informações do Outras Palavras, Gazeta OnlineBrasil de Fato e G1

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Cinema, Pipoca e Geografia! - O Futuro da Comida

A indicação desta semana no blog é um documentário intitulado "O Futuro da Comida". 

Este documentário, de 2004, mostra como os alimentos geneticamente modificados estão sendo sorrateiramente introduzidos nos supermercados sem que a população se dê conta. 

O documentário também dá voz aos pequenos e médios agricultores que são afetados negativamente por este tipo de alimento e suas tecnologias envolvidas. Acompanha também o enredo as implicações na saúde, as políticas de governo e o impulso mundial para o consumo deste tipo de alimento cujo consumo, futuramente, apresenta consequências bastante nebulosas. 

Como mensagem final o documentário nos revela que há uma silenciosa revolução em torno do alimento que comemos e que já está transformando a própria natureza do que colocamos em nossos pratos. 

O documentário é um bom abre-alas para debater a questão de implicações na modernização da agricultura, desde a Revolução Verde, além de questões mais pontuais como a produção dos alimentos transgênicos e suas consequências para quem o consome. 

Vale a pena conferir!