Pesquise No Blog

Loading

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Tsunami provocada por abalo sísmico no Chile chega na Nova Zelândia

As primeiras ondas de um tsunami causado por um terremoto no Chile chegaram à Nova Zelândia no domingo (horário local), informaram autoridades, mas não há relatos de vítimas ou danos.

Centenas de moradores da costa leste do país foram levadas para áreas mais altas e navios se moveram para o mar em meio a alertas de autoridades de que os efeitos do tsunami devem ser sentidos durante todo o dia.

O Chile foi atingido no sábado por um terremoto de magnitude 8,8, que matou ao menos 214 pessoas, causou a queda de prédios e provocou um tsunami que pôs em alerta todos os países do Pacífico.

As primeiras ondas foram registradas nas remotas ilhas Chatham, a cerca de 800 quilômetros ao leste da Nova Zelândia, com alturas de até 1,5 metro, informou o Ministério de Defesa Civil.

Uma moradora de uma das menores ilhas do arquipélago, Pitt, disse que as ondas continuam crescendo.

"(As ondas) continuam ficando maiores -- pelo menos 2 metros neste momento", disse Bernadette Malinson à rádio New Zealand.

Houve relatos de queda anormal do nível do mar na costa leste das duas ilhas principais da Nova Zelândia, seguida por picos de cerca de 20 a 30 centímetros.

"Estas são as primeiras chegadas e ondas maiores devem seguir nas próximas seis a 12 horas", afirmou o Ministério de Defesa Civil em comunicado.


Extraído de msn.com.br

Preso líder de grupo "radical" espanhol

Foi capturado na França o líder do grupo ETA da Espanha. O grupo é tido como terrorista mas vale aqui fazer uma ressalva: o grupo começou de forma pacífica como uma forma de protesto contra a ditadura do governo de Francisco Franco, mas foi violentamente reprimido; o que levou o grupo a se utilizar de armas.

Três membros do grupo ETA, incluindo o chefe de seu aparato militar, foram detidos na localidade francesa de Cahan, na Normandia, segundo informou neste domingo o Ministério do Interior da Espanha.

Ibon Gogeascoechea, considerado pelas autoridades o líder máximo da organização armada, estava foragido desde 1997 e era integrante do chamado K-KATTU, núcleo do ETA que pretendia desfechar um atentado na inauguração do Museu Guggenheim, de Bilbao, no País Basco, da qual iam participar o rei e a rainha da Espanha.

Os outros dois detidos são Beinat Aguinagalde -- suposto autor dos assassinatos do vereador socialista Isaías Carrasco e do empresário Iñaki Uría -- e Gregorio Jiménez, membro do comando encarregado do transporte dos foguetes que o grupo pretendia usar contra o ex-primeiro-ministro espanhol José María Aznar.

A operação de captura foi realizada pela Guarda Civil da Espanha e a polícia francesa em uma residência rural da localidade normanda, segundo o ministério. As autoridades espanholas informaram ainda que a casa tinha sido alugada com documentos falsos e seus moradores tinham um veículo com placas frias.

Na revista da casa e do veículo foram encontradas três armas curtas, documentos e material de informática.

Gogeascoechea, de 55 anos, estava na organização havia 13 anos e vivia clandestinamente na França, onde se consolidou como responsável pelo aparato militar e líder máximo depois de sucessivas prisões dos dirigentes anteriores do ETA, Garikoitz Aspiazu, Aitzol Iriondo e Jurdan Martitegui, realizadas no período de um ano e meio.

A cooperação das autoridades da França e Portugal com a Espanha resultou um total de 30 prisões de supostos membros do ETA desde 1o de janeiro de 2010, de acordo com dados do ministério. Segundo o ministro do Interior, Alfredo Pérez Rubalcaba, essas detenções enfraqueceram o grupo.

Extraído de msn.com.br

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Depois do Haiti agora é a vez do Chile

Infelizmente os terremotos voltam a assolar as Américas, desta vez no Chile com tremores que foram sentidos até em São Paulo! E, como se já não bastasse há risco de que Tsunamis ocorram em países banhados pelo Oceano Pacífico como Japão ou a Austrália. É rezar para que nada de mais grave ocorra.

SANTIAGO (Reuters) - Um dos terremotos mais poderosos da história sacudiu o Chile nesta madrugada, provocando ao menos 122 mortes, um tsunami e desmoronamento de residências e hospitais em várias cidades, o que levou o governo a declarar parte do país zona de catástrofe.

O terremoto, que teve magnitude 8,8 segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos e epicentro no sul do país, estremeceu a capital Santiago, onde arrancou varandas de edifícios, derrubou pontes, deixou fábricas em chamas e moradores sem eletricidade e sistema telefônico.

"Quero compartilhar da dor dos familiares das mais de 122 pessoas que perderam a vida neste terremoto... É provável que este número aumente. Temos também muitos feridos", disse a jornalistas o presidente eleito do país, Sebastián Piñera, em Santiago, onde a fumaça se espalhava e cobria o céu da cidade.

O governo chileno não espera que o número de vítimas fatais dobre, disse o Escritório Nacional de Emergências (Onemi). "Não acreditamos que possa dobrar, embora seguimos avaliando", disse a diretora Carmen Fernández.

Ela estimou que em 72 horas as autoridades poderão ter uma dimensão completa do impacto real do terremoto.

Imagens da TV local mostraram que um prédio de 15 andares ruiu em Concepción, no sul do Chile, uma das regiões mais afetadas, onde fendas se abriram nas ruas.

Um tsunami arrasou metade de um povoado na ilha chilena de Juan Fernández, localizada a 600 quilômetros da costa e quase na altura de Santiago. O tsunami ameaçava atingir a Ilha de Páscoa, segundo a presidente Michelle Bachelet.

"Há uma enorme quantidade de danos que não sabemos a exata dimensão, que está sendo avaliado", disse a jornalistas Bachelet.

Ela declarou as regiões de Maule, onde se concentrou a maioria das vítimas, e Bío-Bío como zonas de desastre.

"Eu nunca na minha vida passei por uma experiência de tremor como essa, é como o fim do muno", disse um homem à TV local da cidade de Temuco.

O movimento sísmico, muito mais poderoso que o mortífero terremoto que devastou o Haiti em janeiro, também causou pânico no popular balneário de Viña del Mar.

Já com a luz do dia, policiais e bombeiros percorriam as ruas em distintas cidades do país para verificar a magnitude dos danos e socorrer vítimas.

"Eu vi os carros caindo e não sabia o que fazer. Estava sozinho aqui", disse Mario Riveros, segurança de uma fábrica em Santiago, parado junto a uma ponte que desabou. "Me deu vontade de chorar", acrescentou.

Depois de sofrer várias réplicas, a maior delas de magnitude 6,9, o aeroporto da capital foi fechado por ter a torre de controle danificada, segundo o governo. Um policial no local disse a uma rádio que metade do terminal estava destruído.

Pelo menos três hospitais na capital desabaram e na cidade de Concepción, cerca de 400 quilômetros ao sul de Santiago, o edifício do governo local desmoronou e pacientes estavam sendo transferidos dos hospitais, segundo rádios chilenas.

Apesar de o sismo ter tido epicentro no sul chileno, perto da localidade de Maule, 321 quilômetros a sudoeste de Santiago e a 104 quilômetros de Talca, também foi sentido na vizinha Argentina.

Em Santiago e outras cidades do país, milhares de pessoas saíram de suas casas e estavam acampando nas ruas com medo das réplicas.

"Me salvei porque me joguei para baixo da mesa, tudo veio para cima, todas as portas do edifício estavam quebradas", disse Elba Carrizo, de 81 anos, que conseguiu sair de seu apartamento antes que o prédio desabasse, no bairro de classe média de Maipu.

TSUNAMI ESPERADO NA ILHA DE PÁSCOA

Apesar de ainda não se saber com exatidão o impacto do tsunami sobre o território insular do Chile, o governo enviou uma fragata à ilha de Juan Fernández.

A onda gigante também atingiu o litoral em Iloca, onde não havia relatos imediatos de vítimas.

Mas também colocava em perigo outras regiões. "Também poderia ser uma ameaça para costas mais distantes", disse o Centro de Advertência de Tsunamis do Pacífico em sua página na Internet.

O governo chileno ordenou o esvaziamento de algumas regiões da Ilha de Páscoa, onde se esperava o tsunami de maneira iminente.

As autoridades norte-americanas advertiram que as ilhas do Havaí corriam perigo e que era preciso tomar medidas urgentes. A Austrália também emitiu um alerta de tsunami.

MINERADORAS

O terremoto sacudiu uma região onde estão instaladas grandes minas produtoras de cobre pertencentes à gigante estatal chilena Codelco e a mineradora global Anglo American, entre outras.

A maior mina de cobre do mundo, Escondida, propriedade da BHP Billiton, funcionava normalmente, disse o líder sindical Zeiso Mercado.

Mas as estradas em direção à mina de cobre Los Bronces, propriedade da Anglo American, estavam bloqueadas, segundo funcionários de segurança da instalação. As operações ficaram paralisadas em Los Bronces e El Soldado.

A mineradora de cobre chilena Codelco suspendeu neste sábado a produção em suas minas El Teniente e Andina, disse um porta-voz da companhia, já que ambas as plantas sofrem um corte de energia depois do forte terremoto que sacudiu o Chile nesta madrugada.

O porta-voz detalhou que as minas não sofreram danos graves e que a companhia espera que a produção seja retomada nas "próximas horas".

O Chile está localizado sobre a intersecção de duas placas geológicas que constituem uma das maiores zonas sísmicas do mundo. O país sofreu o maior terremoto já registrado na década de 1960, com uma magnitude de 9,6.

"Venho do terremoto de 1960 em Valdivia, foi tão horrível (...) eu pensei, é como o de Valdivia, e aqui estamos", disse Hilda Hasbun, de 62 anos.

Extraído de msn.com.br

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Duas novas reservas de petróleo

A Petrobras anunciou a descoberta de duas novas reservas de petróleo na bacia de campos no Estado do Rio de Janeiro. Segundo a estatal a produção pode chegar a 65 milhões de barris de petróleo.
Mais um grande feito na história da empresa líder em exploração petrolífera em águas profundas.

A Petrobras anunciou nesta quinta-feira a descoberta de duas novas acumulações de petróleo na Bacia de Campos. Uma delas está na camada pós-sal e outra no pré-sal. Juntas, as descobertas podem ter produção de 65 milhões de barris. Em comunicado, a estatal informou que já tem estrutura de produção e escoamento instalada na área.

“O poço exploratório foi perfurado na área de concessão de produção de Barracuda, a cerca de 100 km do litoral do Estado do Rio de Janeiro, em águas onde a profundidade é de 860 metros”, informou a empresa.

A descoberta no pré-sal está localizada a 4.340 metros de profundidade. Segundo a Petrobras, o volume recuperável de petróleo leve no blog é de 40 milhões de barris. Na camada pós-sal, o volume de óleo recuperação é estimado em 25 milhões de barris.

“Aproveitando a completa infraestrutura de produção e escoamento já instalada na área, a Companhia estuda a possibilidade de interligar o poço 6-BR-63A-RJS à plataforma P-43, que já opera no Campo de Barracuda”, completou a Petrobras.

As descobertas serão apersentadas à Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Extraído de ig.com.br

Ilhas Malvinas parte 2

A questão realmente parece ter voltado com força total e a Argentina parace não querer "largar o osso" em relação a soberania das Ilhas Malvinas. Os argentinos querem jogar com a diplomacia para tentar conquistar a soberania do território, até porque a história já mostrou que pela força eles com certeza não conseguiriam, e para isso já houve um encontro com o secretário geral da ONU onde o país pediu que o órgão interviesse na questão. É pelo visto essa novela vai longe

BUENOS AIRES (Reuters) - O ministro das Relações Exteriores da Argentina, Jorge Taiana, disse que seu país "nunca" recorrerá à força para "recuperar" as Malvinas, no momento em que uma disputa prolongada com a Grã-Bretanha pela soberania das ilhas se intensificou, após o início da exploração petrolífera na região.

A Argentina reivindica o controle das ilhas meridionais desde que a Grã-Bretanha as ocupou, no século 19. Em 1982, após uma tentativa de ocupação argentina das Malvinas, teve início uma guerra de dois meses que terminou com a retirada do país sul-americano.

"Aqueles que levam armas às águas do Atlântico Sul e às Ilhas Malvinas são as forças de ocupação britânicas. A democracia argentina nunca utilizará a força para recuperar as ilhas", disse Taina em declarações reproduzidas no site da Presidência da Argentina.

"Utilizaremos todos os recursos do direito internacional. Quem está usando a força é o Reino Unido", acrescentou.

Taiana se reuniu na quarta-feira com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e lhe pediu que o organismo internacional intervenha na disputa.

A Grã-Bretanha se refere ao arquipélago como Falklands e afirma que a perfuração petrolífera feita pela empresa britânica Desire Petroleum respeita a lei. A Argentina afirma que é uma violação de sua soberania.

Na semana passada a Argentina anunciou que vai exigir que todas as embarcações que atravessem suas águas com destino ao arquipélago obtenham autorização das autoridades locais.

O Grupo do Rio de líderes latino-americanos, que se reuniu no início da semana, divulgou comunicado apoiando as demandas da Argentina para sustar a perfuração próximo às Malvinas.

As Ilhas Malvinas não produzem petróleo em terra firme, e não foi comprovado que tenham reservas ali, mas as empresas petrolíferas asseguram que há campos marítimos que poderiam produzir bilhões de barris do combustível.

Extraído de msn.com.br

Fantasmas do passado

A crise econômica que afetou o mundo ainda parece ter seus resquícios, desta vez na zona do euro. O que parecia ser enterrado e ficaria apenas na história parece que ainda vai render e muito...


SÃO PAULO – A confiança dos consumidores na Zona do Euro caiu inesperadamente em fevereiro. Segundo a Comissão Europeia, o índice de confiança da região passou de 96,0 pontos em janeiro (resultado revisado) para 95,9 pontos no segundo mês do ano.

O dado surpreendeu o mercado, que esperava elevação no índice para 96,4 pontos. Um dos principais fatores que influenciam negativamente os consumidores é a queda do número de empregados, ao mesmo tempo em que a indústria ainda caminha lentamente rumo à recuperação e as contas públicas se deterioram.

Atividade econômica

No quarto trimestre a economia dos 16 países que utilizam o euro cresceu 0,1%, com as companhias continuando a diminuir seu quadro de funcionários. Segundo o FMI (Fundo Monetário Internacional), a economia europeia pode crescer 1,6% este ano, ficando abaixo da média de expansão global de 3,9%.

Além do empenho em torno da melhora da atividade econômica, os governos da Europa também buscam diminuir as preocupações sobre as contas públicas de países mais afetados pela crise, a exemplo da própria Grécia, que enfrenta um grande déficit fiscal.

Extraído de msn.com.br

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Fim da OEA ?


Parece que a OEA (Organização dos Estados Americanos) parece estar perto de seu fim ou então se enfraquecerá intensamente com a criação de um novo organismo composto pelo países latino-americanos e os caribenhos que pretende reforçar a união entre os mesmos deixando os norte-americanos de fora. 



Não acredito que os EUA simplesmente olharão isso com bons olhos e deixarão passar. Assim como a Rússia, herdeira da antiga URSS, criou a CEI para não perder a soberania que tinha sobre os países da antiga república socialista, com certeza os EUA vão tentar alguma cartada para que sua soberania permaneça no seu dito "quintal". Talvez seja fortalecer ainda mais a OEA, talvez seja minar a força desse novo organismo... É esperar pra ver...






PLAYA DEL CARMEN, México (Reuters) - Os países da América Latina e do Caribe concordaram nesta terça-feira em criar um novo organismo diplomático que não inclui os Estados Unidos, numa cúpula do Grupo do Rio que deixou expostas as fissuras que ainda dividem a região.

Depois que muitos afirmaram que a Organização dos Estados Americanos (OEA) fracassou em suas tentativas para integrar a região, os países concordaram com as linhas gerais para estabelecer o bloco que busca uma voz única em fóruns multilaterais sem um papel dominante de Washington.

"Decidimos constituir a Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos como espaço regional próprio", disse o presidente do México, Felipe Calderón, na última sessão da cúpula ocorrida no balneário mexicano de Playa Del Carmen.

"A Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos deverá prioritariamente estimular a integração regional com vistas à promoção do nosso desenvolvimento sustentável, promover o acordo político", acrescentou.

O organismo reunirá os países do Grupo do Rio e da Comunidade do Caribe (Caricom) e funcionará em paralelo à OEA, criticada em seu papel de guardiã da democracia regional após os esforços infrutíferos para reverter o golpe de Estado em Honduras.

Fontes diplomáticas disseram que levará um tempo para redigir os estatutos do organismo, que poderá começar a vigorar em 2011. O Grupo do Rio e a Caricom seguirão mantendo seus encontros programados em separado.

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, ao lado do presidente cubano, Raúl Castro, exortou em várias ocasiões para que se dissolvesse a OEA.

Mas a cúpula, que será encerrada nesta terça-feira, ocorre em meio a uma persistente crise diplomática entre Colômbia e Venezuela, os países que mais marcam a divisão entre direita e esquerda na região.


Extraído de msn.com.br

No, you can´t !

A bola da vez na questão nuclear realmente se tornou o Irã. Depois de anunciar a extensão do programa nuclear causando alvoroço no cenário mundial passível até de sanções de alguns países - pasmem ! os países que detém o poder bélico nuclear - Um acordo foi previamente estabelecido e o Irã se mostrou disposto a aceitar. Neste acordo o Irã trocaria o Urânio pouco enriquecido que produziria por um já enriquecido destinado a uso como combustível; tudo para o que o Irã não faça o processo de enriquecimento com o intuito de produção de arma bélica.

Essa questão ainda vai longe ainda mais com o medo que os EUA tem de que qualquer países que desenvolva tecnologia nuclear seja para armamento bélico; afinal de contas só eles e meia dúzia de países podem e o resto do mundo não pois todos querem armas nucleares e ninguém quer isso para fins de produção de energia...


TEERÃ (Reuters) - O Irã disse na terça-feira que está disposto a trocar combustível nuclear, conforme um plano mediado pela ONU, mas insistiu para que isso ocorra dentro do seu próprio território.

Os Estados Unidos e seus aliados pretendem impor nas próximas semanas novas sanções ao Irã devido à sua recusa em abandonar suas atividades de enriquecimento de urânio.

Uma alternativa a isso seria o esquema pelo qual Teerã entregaria urânio baixamente enriquecido, para em troca receber combustível nuclear de maior pureza, para uso em um reator de pesquisas médicas.

Dessa forma, os países ocidentais acham que o Irã teria menos chance de enriquecer seu urânio até o alto grau de pureza necessário para o uso em armas nucleares. Teerã garante que seu programa nuclear está voltado apenas para a geração de eletricidade e para fins científicos.

"Para promover uma interação construtiva, declaramos nossa prontidão para a troca de combustível, desde que seja feita dentro do país", disse Ramin Mehmanparast, porta-voz da chancelaria iraniana.

"Estamos preparados para uma troca de combustível, embora não vejamos como correta esta condição de fornecer combustível ao reator de pesquisas de Teerã por meio de uma troca", disse ele.

O Irã afirmou na segunda-feira que selecionou possíveis locais para dez novas usinas de enriquecimento de urânio, sendo que duas podem entrar em construção já neste ano.

Também na segunda-feira, Israel propôs um embargo ao setor energético iraniano, mesmo que sem o aval da ONU. O Estado judeu não descarta uma ação militar contra a República Islâmica, mas analistas dizem que considerações técnicas e políticas complicam essa hipótese.

(Reportagem de Ramin Mostafavi)

Extraído de msn.com.br

Argentina x Inglaterra Uma antiga questão


Dois países que já entraram em conflito armado agora voltam ao cenário mundial desta vez em um "conflito diplomático". Argentina e Inglaterra que nos anos 80 protagonizaram a guerra das malvinas - guerra entre os dois países pela disputa da soberania das Ilhas Malvinas que foi vencidas pelos ingleses - e desde então o arquipélago pertence aos ingleses. Contudo os argentinos nunca admitiram isso e agora essa "disputa" volta à cena tudo por causa de uma exploração petrolífera dos ingleses no Atlântico Sul, local onde fica o arquipélago das Malvinas, na qual os nossos hermanos acham um ato de colonialismo e em virtude disso pedem a ONU que a soberania das Malvinas seja dos argentinos e não mais dos ingleses. O fato ganhou repercussão e apoio dos países latino-americanos em uma reunião entre os mesmos e os países caribenhos.

Sinceramente, não acredito que se trate de um caso de "repatriar o que foi perdido" mas sim de uma chance de abocanhar as riquezas do lugar, principalmente o petróleo que pode recuperar a Argentina da crise em que o país vive. Acho que essa questão acabará ficando o dito pelo não dito já que a ONU é sempre a favor dos ditos desenvolvidos, mas é esperar para ver o que acontecerá nessa novela que com certeza renderá muito capítulos.


O presidente mexicano, Felipe Calderón, anfitrião do encontro, revelou que as autoridades presentes aprovaram "uma declaração na qual os chefes de Estado e de governo reafirmam seu apoio aos legítimos direitos da República Argentina na disputa de soberania com a Grã-Bretanha na questão das Malvinas".

Além deste texto, informou Calderón, haverá outro abordando de maneira específica "a exploração de hidrocarbonetos na plataforma continental" do Atlântico Sul, onde está situado o arquipélago.

Buenos Aires e Londres, que em 1982 já travaram uma guerra pela soberania das ilhas, voltaram a se desentender recentemente depois que a Grã-Bretanha decidiu prospectar petróleo em uma área ao norte do arquipélago. As Malvinas estão sob ocupação britânica desde 1833.

A presidente argentina, Cristina Kirchner, que está em Cancún, agradeceu aos colegas e disse que seu governo não atua motivado por um capricho, mas com base em "um imperativo constitucional".

De acordo com ela, brigar pela soberania das ilhas é, no fundo, "um exercício de autodefesa" da região. "A questão das Malvinas não tem a ver apenas com uma disputa de soberania, mas com o que foi a história da região, e talvez do mundo, nos últimos dois ou três séculos", afirmou.

Cristina, que foi ao México com a intenção de pedir auxílio aos governos da região na nova disputa com os britânicos, ouviu importantes declarações de apoio.

O presidente do Equador, Rafael Correa, disse durante sua intervenção que o país respalda a Argentina de maneira "incondicional". Michelle Bachelet, por sua vez, ressaltou que o Chile "não apenas apoia a irmã República Argentina, mas acompanha a reivindicação do país junto ao Comitê de Descolonização da ONU".

Evo Morales, que governa a Bolívia, e seu colega venezuelano, Hugo Chávez, também se somaram ao coro favorável a Buenos Aires. Chávez criticou o envio da plataforma Ocean Guardian, que começou a trabalhar na prospecção de petróleo na região das Malvinas nesta segunda-feira. Para ele, a medida é uma "grosseira demonstração do velho colonialismo".

"Estamos vendo em nosso continente alguns restos do colonialismo, e por isso é tão importante que trabalhemos, mesmo com diferenças, pela verdadeira unidade da América Latina e do Caribe", disse.

"Já é hora de que as Malvinas voltem para as mãos de seus verdadeiros donos, que são os argentinos", afirmou, por sua vez, o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega.



Extraído de ig.com.br

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Ainda com problemas

Caros leitores do blog

Ainda continuo com o meu problema com o provedor de internet. Porém o mesmo será solucionado dia 22 de fevereiro. Quando também pretendo retomar os posts do blog já que assim terei condições de fazê-lo de maneira correta.

Desculpem o inconveniente

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Haiti

Todos acompanhamos abalados o terremoto que abalou o Haiti e que até agora soma incontáveis mortos e a maior tragédia da história do país. O abalo sísmico ocorreu devido ao encontro de duas placas tectônicas, a placa caribenha e a placa norte-americana, que se chocaram causando um tremor de proporções catastróficas para o país.

Transcorrido isso a ajuda humanitária cedida por vários países do mundo mostra como teríamos um mundo melhor se todos se unissem não somente na hora das desgraças mas sim todo o tempo. Não digo que sejamos um único país ou algo do gênero, mas no que tange a ajuda ao próximo ou a países onde a fome e a miséria possuem presença maciça e a economia do mesmo é bastante fraca.
Infelizmente a tragédia arrasou o país que tem como principal produto motor de sua economia a agricultura. Mas apesar de toda esta desgraça que assola o país mais pobre da américa, espero que o mesmo possa se recuperar desta tragédia e tentar deixar isso para trás.
Para que seja melhor exemplificado como ocorreu este terremoto no país vou deixar um link logo abaixo de uma animação em flash feito pelo site g1.com.br





http://g1.globo.com/FlashShow/0,,25001,00.swf

Após chuvas intensas em MT e SP um novo temor aparece, a Dengue !

Após registros de chuvas intensas nos Estados de SP, onde tem chovidos a mais de 40 dias sem cessar, e MT e diversas fatalidades que ocorreram em decorrência disso como enchentes e deslizamentos que levaram a morte de pessoas e várias outras a perda de suas moradias um novo problema aparece, a Dengue. Com as chuvas intensas ocorridas o acúmulo de águas se faz quase inevitável, levando assim a grandes possibilidades para a ocorrência de surtos de dengue nos dois Estados.

Espero que isso seja rapidamente solucionado para que não haja mais pessoas sofrendo depois de toda essa situação de enchentes e deslizamentos...



Após um período de chuvas intensas, municípios do interior paulista e da região Centro-Oeste do País registram uma explosão de casos de dengue nos primeiros 35 dias do ano. Somente em São José do Rio Preto, a 440 km de São Paulo, foram notificados até agora mais contágios do que em todo o ano passado. São 1.583 pessoas infectadas desde janeiro, contra 1.231 nos 12 meses de 2009.

A epidemia acontece após a cidade ser atingida por fortes chuvas que provocaram enxurradas e inundações e ao menos duas mortes ao longo do mês passado. Até o momento, de acordo com a Secretaria da Saúde do município, foram confirmados quatro casos de febre hemorrágica e dois de complicações da doença, mas não há registro de mortes.

Segundo Luciano Garcia Lourenção, coordenador da Vigilância Epidemiológica do município, mudanças climáticas e ambientais contribuíram para a proliferação do mosquito Aedes Aegypti. O clima úmido e quente fez com que chovesse na região praticamente todos os dias desde outubro. A incidência do vírus tipo 1, que não circulava no município desde os anos 1990, também elevou os índices, já que afetou a população mais suscetível.

Ribeirão Preto, a 313 km da capital, também enfrenta transtornos com a dengue. O município confirmou até agora 804 casos da doença desde o primeiro dia do ano. A preocupação com a proliferação do mosquito levou a prefeitura a anunciar que moverá ação contra proprietários de imóveis que impedirem a vistoria dos agentes de saúde em suas casas.

O aumento do número de infectados não acontece apenas em São Paulo, um dos dez Estados do País que fecharam 2009 com mais casos da doença do que no ano anterior. Em Mato Grosso, 11 pessoas já morreram em decorrência da doença, o que deixou o Estado em alerta. Desde o começo do ano, a Secretaria da Saúde local já registrou 9.209 infecções, número 729% superior ao do mesmo período do ano passado – quando houve 1.399 notificações. A situação ocorre também em razão das chuvas que atingem a região desde abril do ano passado – nos primeiros meses de 2009 houve pouca chuva no Estado e, por isso, os índices deste ano explodiram.

Desde abril, porém, a incidência da dengue tipo 2, que não circulava havia dois anos em Mato Grosso, e vitimou crianças e idosos. Em 2009, 60 mil pessoas foram infectadas e 53 pessoas morreram.

Neste ano, o governo estadual já registrou 264 casos graves da doença até o último dia 3. Todos os municípios de Mato Grosso estão em alerta para possíveis surtos – 26 deles correm risco de epidemia.

No vizinho Mato Grosso do Sul foram confirmados em janeiro 427 casos, mas já há mais de 4.000 suspeitas. Duas mortes ocorridas em Campo Grande são investigadas.

Respostas

Para combater a situação, o governo mato-grossense anunciou ter realizado durante a semana sobrevoos de helicóptero sobre bairros da capital, Cuiabá, e Várzea Grande, para identificar possíveis focos do mosquito. A ideia, segundo a Secretaria da Saúde, é "sensibilizar" a população. Foram identificados locais com caixas d’água destampadas, terrenos com entulho e lixos que acumulam água. Alguns municípios contam a ajuda de homens do Exército para o trabalho de prevenção.

Em Rio Preto, a prefeitura contratou temporariamente 235 pessoas para ajudar os 393 agentes de saúde do município na busca de criadouros. Entre outras medidas, criou um Disque Dengue e anunciou um "arrastão" a ser realizado no final de semana.


Extraído de ig.com.br

Pirelli e sua aposta nos "produtos verdes"

Desde o início dos anos 70 quando as questões com o verde começam a tomar grande importância no painel mundial e a palavra sustentabilidade virou moda no mundo, várias empresas buscaram medidas para a fabricação de produtos verdes - uma atitude bastante louvável na minha opinião -. Recentemente a Pirelli, indústria fabricantes de pneus, desenvolveu um pneu desenvolvido a partir da casca do arroz, desenvolvendo assim um "pneu verde". O mesmo parece que estará no mercado dentro de pouco tempo.

A Pirelli deve apresentar, até o início do segundo semestre, os primeiros pneus com sílica produzida a partir das cinzas da casca de arroz. A novidade é uma parceria entre um pesquisador independente e o centro de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da empresa no Brasil.

Dona de um orçamento anual de aproximadamente R$ 35 milhões, a área de P&D, que conta com uma equipe dedicada de 170 profissionais, planeja ainda desenvolver este ano uma linha completa do pneu verde da Pirelli para entrar no mercado em 2011, entre outros estudos.

“O projeto brasileiro de obtenção de sílica a partir da cinza da casca do arroz é um típico caso de inovação reversa, quando a unidade local desenvolve um novo produto ou processo e esta invenção é adotada pela matriz”, afirma Roberto Falkenstein, diretor para a América Latina da área de Pesquisa e Desenvolvimento da Pirelli. Ao reduzir o impacto ambiental causado pela cinza da casca de arroz – antes sem grande utilidade –, o processo está sendo avaliado pela matriz italiana, que planeja utilizá-lo na própria Itália e na China, grande produtor de arroz.


A inovação envolvendo a nova matéria-prima é apenas uma das vertentes do trabalho desenvolvido no Centro de Pesquisa e Desenvolvimento brasileiro da Pirelli. Uma das linhas de trabalho concentra-se em cima de uma da criação de uma linha mais ampla do pneu verde, a ser lançada no mercado em 2011.
O pneu verde é feito com praticamente os mesmos materiais do pneu tradicional, mas economiza em média 5% do combustível consumido pelo automóvel, pois apresenta menor resistência à rolagem. Isso é possível graças à utilização de sílica na banda de rodagem. Lançado pela Pirelli em 1999, ele corresponde, entretanto, a apenas 5% do total de vendas da empresa no País hoje. “Exportado para os Estados Unidos, o pneu verde brasileiro é usado em ícones americanos, como o Ford Mustang. Mas, aqui, ainda temos poucos modelos de veículos que saem de fábrica com o produto”, diz o executivo.

Ganho de escala deve reduzir preço final do pneu verde

Com o lançamento da nova linha, Falkenstein acredita que será possível minimizar um dos maiores entraves para a massificação do produto no Brasil, a diferença de preço frente ao pneu tradicional, que já chegou a quase 20%. “Ao lançar uma linha completa de pneus verdes, esperamos ganhar escala para reduzir o valor de mercado do produto”, diz. As metas são ousadas. O objetivo é que em 2012, o pneu verde já represente 40% de todas as vendas da Pirelli no País.

“Estados Unidos e países da Europa têm uma série de exigências relacionadas à sustentabilidade da produção dos pneus e também ao descarte dos produtos já usados", diz ele. "A despeito do aumento da consciência ambiental, o Brasil ainda é pouco exigente nessa área."

Falkenstein diz ainda que a área de pesquisa está trabalhando para desenvolver nichos de mercado nos quais a Pirelli ainda tem pequena participação de mercado. Na lista de prioridades estão os pneus utilizados na agricultura e na construção civil. As obras do PAC e, sobretudo, a Copa do Mundo no Brasil e as Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro, estão no horizonte dos investimentos nessas linhas.


Extraído de ig.com.br

Gelo no Ártico derrete mais rápido que o esperado

Com as mudanças ocorridas no clima ao longo dos tempos e o aumento do efeito estufa ocasionando o aquecimento global, o mundo vem apresentando sinais de um "estresse" que se reflete principalmente no derretimento das calotas polares que, segundo estudos realizados, parece ter derretido mais que o esperado... A Terra pede socorro, mas parece que alguma atitude só será tomada quando o assunto se tornar uma triste e trágica realidade...



O gelo do Ártico está desaparecendo em um ritmo mais rápido do que o esperado, segundo estudo publicado neste sábado por pesquisadores canadenses após mais de dois anos de estudos no extremo Norte do planeta.
O estudo, realizado pelo grupo Circumpolar Flaw Lead (CFL), foi iniciado em julho de 2007, e contou com a participação de 300 cientistas de todo o mundo.
Enquanto o CFL divulga seu estudo, outra organização, o Grupo Meio Ambiental Pew, divulgou um relatório no qual destaca que o custo do desaparecimento do gelo no Ártico será de US$ 2.400 trilhões até 2050.
O relatório do Pew, o primeiro que quantifica o custo do derretimento das regiões árticas, assinala que só este ano o desaparecimento do gelo custará entre US$ 61 bilhões e US$ 371 bilhões.
Uma das principais conclusões dos pesquisadores do CFL, capitaneados pelo professor da Universidade de Manitoba (Canadá) David Barber, é que o derretimento mais rápido do gelo no Ártico está afetando o ecossistema marinho.
Os cientistas também comprovaram que os níveis de poluentes, como mercúrio e DDT, estão aumentando, por conta da mudança climática.
Outra mudança observada é o aumento na intensidade e no número de ocorrência de tempestades à medida que o gelo derrete.



Extraído de ig.com.br

Desculpem o transtorno

Caros leitores do Blog. Desculpem a ausência prolongada mas ando tendo problemas com o meu provedor de internet e agora só posso realizar as atualizações do blog nos finais de semana quando me utilizo da internet discada. Desculpem o transtorno e prometo tentar resolver isso o mais rápido possível. Obrigado a todos os que prestigiam o blog e minhas sinceras desculpas



Talvez os posts saiam meio desconfigurados por causa da internet mas tentarei ao máximo colocá-los de forma compreensível