Pesquise No Blog

Loading

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Quase mais do mesmo

Mais uma daquelas notícias sobre desmatamento na Amazônia, mas dessa vez é quase mais do mesmo. 

Segundo a notícia abaixo o desmatamento parece ter reduzido de forma considerável, embora o ideal seja a extinção desse tipo de prática (pelo menos da forma predatória que vem sendo feita). 

Seja pelo extrativismo vegetal, mineral ou pela expansão da fronteira agrícola; o desmatamento na Amazônia já é um problema crônico do nosso país. 

O governo até que vem tentando combater esse problema, seja por meio de fiscalizações do IBAMA, por sensoriamento remoto, por programas específicos voltados para esse fim que, combinados, vem mostrando resultados positivos nessa luta. Contudo, muito ainda precisa ser feito. 

Não só em termos de vigilância, mas de fiscalização, de legislação e, porque não, de combate a corrupção também... 

O caminho é longo e a batalha é árdua, mas não impossível... Estaremos de olho... 


Brasília - O desmatamento e a degradação de florestas na Amazônia atingiram uma área de quase 175 quilômetros quadrados (km²) nos meses de março e abril deste ano. O levantamento de alertas foi divulgado nesta segunda-feira 6 pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), responsável pelo Sistema de Detecção de Desmatamentos em Tempo Real, conhecido como Deter. No mesmo período de 2012, o sistema detectou desmatamento de 292 km² – quase o dobro da área identificada este ano.
Mato Grosso continua liderando o ranking da derrubada de árvores na região, com 83,57 km² de devastação nos dois meses analisados - respondendo por 47% do total.
Pelas informações do órgão, as áreas de alerta nos estados do Acre, do Amazonas, de Mato Grosso, do Pará, de Rondônia, de Roraima e de Tocantins foram identificadas mesmo com uma cobertura de nuvens em quase 50% do território investigado no período. Entre novembro e abril, período em que as chuvas são mais constantes na Amazônia, as imagens ficam relativamente comprometidas. Essa é a justificativa utilizada pelo Inpe para não comparar resultados entre diferentes meses.
Os técnicos do instituto afirmam que a limitação meteorológica e a resolução relativa de captação de imagens - de 250 metros, permitindo captar apenas áreas maiores que 25 hectares -, são compensadas pela frequência de informações repassadas aos órgãos de fiscalização, como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).
“A menor resolução dos sensores usados pelo Deter é compensada pela capacidade de observação diária, que torna o sistema uma ferramenta ideal para informar rapidamente aos órgãos de fiscalização sobre novos desmatamentos”, destacou em nota a assessoria do Inpe.
As imagens captadas pelos satélites utilizados pelo instituto permitem a visualização de áreas de corte raso, quando há a retirada completa da floresta nativa em uma área, e de evidências de degradação pela extração de madeira ou incêndios florestais, que tipificam o processo de desmatamento na região.
O presidente do Ibama, Volney Zanardi Junior, vai detalhar ainda hoje (6) os dados divulgados pelo Inpe. A principal preocupação das autoridades responsáveis pelo combate aos crimes ambientais na região é explicar à população que nem todo alerta é uma comprovação de que há desmatamento.
Nos últimos balanços divulgados, o governo vem destacando um esforço para integrar informações nacionais e estaduais. A derrubada de árvores em determinadas áreas pode ter a licença dos órgãos ambientais locais, o que deixaria de configurar crime.

Nenhum comentário:

Postar um comentário