Pesquise No Blog

Loading

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Volume de água dos rios é menor até do que na época do apagão de 2001

O volume de água nos rios que abastecem as Usinas Hidrelétricas atingiu o seu menor índice em toda a história, 53,4% (o índice é calculado desde 2000) sendo menor até do que o registrado na época do apagão, em 2001 (72,4%).

O reduzido número de chuvas e o aumento da demanda, baixaram sensivelmente o nível dos rios. Diferentemente dos apagões de 2001, este ano ainda não chegamos a tal episódio por conta das Usinas Termoelétricas, mas a produção de energia por este tipo de usina gera um gasto maior além de poluir mais. 

Enquanto esperamos ansiosamente pela chuva que, ao que tudo indica, deve chegar ao Centro-Oeste e Sudeste neste fim de semana, vemos mais uma vez essa situação de viver à beira de um apagão do qual, dessa vez, escapamos por conta das termoelétricas... 

Mas, até quando?

Até quando vamos ficar nessa dependência da chuva? Até quando vamos ficar investindo em termoelétricas que produzem energia de forma mais onerosa e mais poluidora? Até quando vamos ficar nessa do "jeitinho"?

Somos um país que possui condições naturais de sobra para investir na energia limpa e em seus mais diversos setores.

Os ventos alísios na região Nordeste do país favorecem a implementação de Usinas Eólicas; Já os painéis solares podem ser usados também como outra fonte geradora de energia, podendo ser aproveitados em todo o país e melhor aproveitado ainda nas regiões próximas a Linha do Equador, onde a incidência dos raios solares é maior; Podemos também aproveitar o vasto litoral que temos e utilizar, onde for possível, a geração de energia através da marémotriz. 

Claro que nenhuma delas, pelo menos por enquanto, é capaz de substituir a geração de uma hidrelétrica, mas pode diversificar a nossa produção de energia que, mesmo tendo a hidroeletricidade como matriz, teria várias outras opções que complementariam a mesma e abririam o leque de fornecimento de energia em nosso país. 

O problema no meio dessa história toda é que usando essas fontes de energia e investindo para que as mesmas se tornem mais significativas no cenário nacional, a energia hidrelétrica será menos utilizada e, portanto, arrecadará menos dinheiro para aqueles que hoje fornecem serviço de energia elétrica em nosso país. Nem preciso dizer que isso incomoda, e muito, a eles... 

A triste história no meio disso é que enquanto esses investimentos não vem ou vem escassamente, ficaremos "reféns" da chuva e sempre sob o risco de reviver o apagão de 2001... O que aliás acontece em alguns lugares, só que em menor escala... 


Com informações da Folha de São Paulo (1 e 2) .  

Nenhum comentário:

Postar um comentário