Pesquise No Blog

Loading

terça-feira, 8 de setembro de 2015

A guerra civil na Síria

O assunto dessa semana não poderia ser diferente do que vem sendo discutido e corre o mundo inteiro: a movimentação em massa de migrantes oriundos da África e do Oriente Médio para a Europa. 

O caso mais em tela se trata da guerra civil na Síria que se arrasta desde a Primavera Árabe, que teve início em 2010. 

Venho publicando sistematicamente na Página do Facebook que essa questão só ganharia a atenção do mundo quando atravessa-se o Mediterrâneo ou o Atlântico... Por questões de proximidade geográfica, a travessia para o Mediterrâneo ganhou.

Segundo dados, o fluxo migratório já supera o da segunda guerra mundial e levanta diversas questões acerca desta movimentação que vitima cada vez mais pessoas seja nos conflitos, seja tentando cruzar o mar mediterrâneo na esperança de dias melhores. 

Como ponto (não diria principal, mas de maior destaque) temos a guerra na Síria entre oposicionistas e um governo que já está no poder há décadas. Mesmo com toda a repercussão e força da Primavera Árabe, na Síria, o movimento parece ter se perdido em meio a um governo que controla sua população com mãos de ferro, castigando-os sempre que pode e uma oposição que não consegue ter uma unidade sequer e que encontra cada vez mais opositores que querem fazer a mudança ao seu modo. 

Soma-se a este cenário apocalíptico um xadrez geopolítico entre EUA e UE de um lado e Rússia, China e Iraque do outro. 

Os conflitos começaram desde a Primavera árabe e desde então EUA e a UE, através da ONU reivindicam uma intervenção militar no país, além de sanções econômicas unilaterais que nem chegam a ser tão pesadas assim; do outro lado temos Rússia, China e Iraque que defendem abertamente o regime de governo da Síria e defendem que a maneira correta de intervir na situação é com uma missão de paz. 

No meio desse xadrez, um fogo cruzado entre governo e rebeldes, jihadistas e braço da Al-Qaeda no qual a população síria se vê entregue a própria sorte, e, aqueles que podem, fogem do horror da guerra e buscam a paz além do mediterrâneo. 

O drama que já não é pouco, se torna ainda maior quando os refugiados esbarram em questões como a possibilidade de serem roubados e enganados em relação a realização da travessia, tendo o pouco dinheiro que resta roubado. Além disso, passam por condições sub-humanas durante a travessia que, infelizmente, levam muitos a não conseguirem completá-la. 

Há também a questão da acolhida em um continente desconhecido. Nem todos têm parentes na Europa ou dominam o idioma do destino almejado (em sua maioria, neste caso, a "Europa Rica" > França, Alemanha e Inglaterra). Enquanto isso do doutro lado do Mediterrâneo e, portanto, longe de tudo isso, A UE começa a se articular para distribuir entre os países os refugiados que cada vez mais chegam. Fugidos da guerra que dizima cada vez mais sua terra-natal. 

No meio da discussão, há aqueles que defendem o fechamento das fronteiras para os refugiados como medo que suas economias, culturas e valores sejam perdidos com a entrada dos refugiados em seus países; do outro lado, gestos de solidariedade e de humanidade (adjetivo meu) tomam conta de capas de jornais e revistas, revelando que mesmo em meio a esse horror, a solidariedade ainda acalenta os corações mais aterrorizados. 

Enquanto esse xadrez  geopolítico parece ter chegado ao momento decisivo, pessoas tentam reconstruir suas vidas e esquecer o que vivenciaram em meio aos horrores de uma guerra civil, onde parece que a intensão é deixar que se destruam e depois lançarem novamente os refugiados de volta, só que dessa vez em meio aos escombros e ao pó do que um dia eles chamaram de pátria.


Se você, caro leitor, quiser buscar mais informações sobre esse conflito, o "Terra" desenvolveu um material muito didático sobre o assunto que você pode conferir clicando aqui.    

Obs.: Me furtei a falar do menino encontrado na praia da Turquia porque já acho essa situação pesada demais para ficar colocando ainda mais drama. Faço isso não porque acho que sua história e seu drama não devam ser contados, muito pelo contrário. Faço isso porque acho que já está mais do que na hora de deixarmos aquela alma inocente descansar em paz. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário