Pesquise No Blog

Loading

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Os resquícios do terremoto no Haiti

O terremoto que devastou o Haiti ainda deixa suas sequelas e, infelizmente, isso permanecerá por um longo tempo. Não bastasse o terremoto, agora uma epidemia de cólera assola o país que vive praticamente um caos. Como se já não fosse pouco o país ainda está em ano eleitoral. A recuperação parecesse de longo prazo, ainda mais se tratando do país mais pobre das américas. Mas se realmente os governos que querem ajudar, o fizerem sem nenhum interesse (que é o que não vem acontecendo, pois os países que oferecem ajuda o fazem em troca de algum benefício fiscal que, por sua vez, anda quebrando sumariamente a economia local) essa reconstrução não demore tanto e o país que é tão castigado possa se reerguer de fato.

Madri, 5 nov (EFE).- A reconstrução do Haiti demorará pelo menos 20 anos, afirmou nesta sexta-feira o ministro de Turismo, Patrick Delatour, enviado especial do Governo haitiano à assembleia anual do Clube de Madri, que celebra na capital espanhola uma sessão especial dedicada à reconstrução e ao desenvolvimento democrático do país.
Estava previsto que o atual primeiro-ministro do Haiti, Jean Max Bellerive, fosse ao encontro dessa organização internacional, composta por mais de 70 chefes de Estado e do Governo de 50 países, mas ele enviou o ministro em seu lugar por causa da epidemia de cólera e da ameaça do furacão "Tomas" no país.
Delatour analisou junto a 30 membros do Clube de Madri a complicada situação que seu país enfrenta desde o terremoto de 12 de janeiro, que deixou mais de 220 mil mortos e destruiu a maior parte de sua infraestrutura.
O encontro também serviu para debater as eleições de 28 de novembro, que desperta a desconfiança da comunidade internacional em relação ao processo político e aos sucessivos Governos.
Segundo Delatour, o país "está disposto a superar" esses desafios no próximo pleito.
"Convidamos todos a acompanhá-lo, para que não restem dúvidas sobre seu processo e sua legitimidade", disse em entrevista coletiva.
O Clube de Madri será um dos responsáveis por assessorar o atual Executivo haitiano no processo eleitoral.
Seu presidente, Wim Kok, afirmou nesta sexta-feira que a intenção da organização é garantir eleições "justas, equitativas e livres".
"Não há desenvolvimento que seja bom se as instituições não funcionam", disse Kok.
Apesar das dramáticas consequências do terremoto e da cólera no país, o Haiti está otimista em relação à sua reconstrução, porque "o novo Governo não começará do zero", segundo Delatour.
O novo Governo deverá apostar na "continuidade das ações que estão sendo realizadas", ressaltou.
"Durante os próximos cinco anos terão que ser estabelecidas prioridades e o povo terá que ser consultado para que se elabore em conjunto um programa de reconstrução", disse o ministro. EFE

Extraído de msn.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário