Pesquise No Blog

Loading

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Regiões Norte e Nordeste podem sofrer ainda mais com o aquecimento global

Todos acompanhamos notícias sobre o aquecimento global e os estragos que o mesmo vem causando, seja nos mais diversos aspectos e em todas as áreas do planeta. Recentemente saiu um estudo publicado (reportagem abaixo) onde as regiões Norte e Nordeste serão as mais afetadas por conta das mudanças climáticas.
Cabe lembrar que um dos agravantes para esse aquecimento global ocorre justamente nessas regiões com a pratica das queimadas, mais fortemente caracterizadas na região Norte. Contudo, também há maneiras de amenizar, não chegaria a dizer reverter, essas práticas que têm sua contribuição para o agravamento do efeito estufa. Basta vontade política para fazê-lo.



Brasília - As populações das regiões Norte e Nordeste serão as mais afetadas nas próximas décadas se houver agravamento das condições climáticas no Brasil, o que pode aprofundar as atuais desigualdades regionais e de renda. O diagnóstico consta do Boletim Regional, Urbano e Ambiental número 4, elaborado por pesquisadores do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), e feito com a participação de especialistas de diversos setores no país.
O documento associa os problemas climáticos ao aquecimento global e prevê resultados de longo prazo. A perspectiva macroeconômica traçada pelo estudo indica em uma das simulações que o Produto Interno Bruto (PIB) nacional poderia ser, numa primeira hipótese prevista para 2050, de R$ 15,3 trilhões (no valor do real em 2008). Em outra alternativa, com menos danos para o meio ambiente, poderá chegar a R$ 16 trilhões, se o clima ajudar.
O Ipea estima o risco de reduções de 0,55% ou 2,3% respectivamente para esses valores. O aquecimento global poderá elevar a temperatura no Norte e Nordeste em até 8 graus Célsius (ºC) em 2100 como consequência do desmatamento da floresta amazônica.
Entre os compromissos assumidos pelo país no Protocolo de Kyoto, a redução do desmatamento figura como a contribuição de menor custo. O valor médio de carbono estocado na Amazônia foi estimado em US$ 3 por tonelada ou US$ 450 por hectare. Se estes valores forem utilizados para remunerar os agentes econômicos poluidores, seriam suficientes para desestimular até 80% a pecuária na Amazônia. Seria possível reduzir em 95% o desmatamento com o custo de US$ 50 por tonelada de carbono, aponta o Boletim Regional, Urbano e Ambiental divulgado pelo Ipea.

Extraído de msn.com.br 

Nenhum comentário:

Postar um comentário